CVM muda regras e permite investimento em empresas como Google e Facebook

Não será mais obrigatório que os investidores sejam milionários para obterem os BDRs

Foto: reprodução

De acordo com a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), reguladora de mercado de capitais do país, ampliou a facilidade de grandes empresas estrangeiras, como Google, Amazon, Facebook e Tesla e, agora, serão maiores as opções de investidores. A novidade foi anunciada logo após algumas mudanças nas regras de BDRs (Brazilian Depositary Receipts).

Não será mais obrigatório que os investidores sejam milionários para obterem os BDRs, com a modificação das regras, que passará a valer a partir do dia 1 de setembro, qualquer aplicador poderá participar do rol de investimento. De acordo com profissionais do mercado, a mudança resultará em benefícios, logo que, será maior a diversidade com ativos do exterior.

Francine Balbina, especialista em investimentos globais da casa de análise independente Spiti, declara que na hora de diversificar investimentos em ações, o brasileiro fica excluído de vários setores, como o de tecnologia, por exemplo, que está indo muito bem durante a crise econômica, porque a Bolsa tem poucas empresas dessa área.

Ações lastreadas

BDRs são representações de ações das empresas estrangeiras negociadas por meio de títulos na Bolsa brasileira. Quem está à frente de negociação são empresas ou instituições financeiras. A regra para entrarem na lista de comercialização da Bolsa, atualmente, é estarem lastreados em ações da companhia.

Por meio das ações negociadas por determinada empresa brasileira e pela posse do BDR que se passa a fase de lançamento de um BDR brasileiro. Atualmente, a taxa de BTRs precisa ultrapassar os 50% de ativos no exterior para conseguir chegar ao estágio de lançamento de um BDR.

Após lançadas ações do exterior, uma empresa brasileira está barrada de replicar estas em BDRs no Brasil. Por conta desta regra, os BDRs não estão disponíveis para patrocínio. O investidor que tiver interesse nas ações brasileiras no exterior, deve comprar a ação, em seguida deve bloqueá-la e, por fim, lançar os BDRs no Brasil. A B3 disponibiliza, no Brasil, quase 500 BDRs.

Reconhecimento da Bolsa

O investidor interessado não precisam mais ter 1 milhão para adquirirem os BDRs não patrocidados. O exigido pela CVM é que haja reconhecimento da Bolsa que irá negociar as ações originais do BDR. Balbina diz que as novas regras democratizam o acesso do investidor comum de varejo a mais produtos do mercado.

Veja como investir em BDRs:

Investir indiretamente: Compras ou vendas devem ser realizadas por meio de contas abertas junto à corretora.

Fundos: A oferta de BDRs são feitos via gestores de recursos com foco em ativos estrangeiros.

De forma simplificada e menos trabalhosa, o indicado é investir em gigantes do exterior, com isso, o aplicador se cadastra em uma instituição financeira brasileira.

As ações, que variam de acordo com a cotação do dólar, euros e outras moedas, já com este cadastro, os BDRs são avaliados sempre em reais. Como explica o estrategista-chefe da Clear Corretora, Roberto Indech, abre-se um leque grande para um mercado desenvolvido onde o investidor brasileiro terá também a possibilidade de aplicar em empresas globais.