Apple pretende eliminar 100% de carbono de seus produtos até 2030

A gigante mundial busca se comprometer em oferecer zero impacto climático e ambiental

Foto: reprodução

Em dez anos, no máximo, a Apple pretende ser totalmente neutra de emissão de carbono. Por meio do programa de sustentabilidade, a empresa pretende incluir todos os seus negócios neste novo modelo de produção, incluindo cadeia de suprimentos e o ciclo de vida de produtos. O anúncio foi feito nesta última terça-feira (21). A gigante mundial busca se comprometer em oferecer zero impacto climático e ambiental.

O plano de contribuir com a preservação ambiental pede transformação de negócios, com isso, serão iniciadas novas políticas de design, uso de energias renováveis e investimentos globais, segundo relata a empresa. O processo de redução de emissão de carbono envolve todas as extremidades, partindo do interno, que representa 75% do plano, e 25% diz respeito a procedimentos ligados ao externo da empresa em conjunto com a cadeia de suprimentos, além de fornecedores e parceiros.

Construindo um futuro mais sustentável

O modelo será seguido em conjunto, sendo assim, empresas que fazem parte do grupo de parceiros receberão um roteiro detalhando sua abordagem à neutralidade de carbono. Tim Cook, CEO da companhia, declarou que negócios têm a oportunidade de ajudar a construir um futuro mais sustentável. As inovações que impulsionam a nossa jornada ambiental vão nos ajudar a tornar nossos produtos mais eficientes em termos de energia e também a trazer novas fontes de energia limpa para o mundo.

Lisa Jackson, vice-presidente do comitê de Meio Ambiente, Políticas e Iniciativas Sociais da companhia disse estar bem orgulhosa do anúncio. Eles tem uma oportunidade geracional para ajudar a construir uma economia mais ecológica e mais justa. A empresa iniciou seu método de mudança na linha partiu de fabricação dos novos produtos. Para a Apple, será cada vez mais comum produzir os gadgets da empresa usando materiais recicláveis e de baixo carbono.

Robô Dave

Suporte tecnológico é um ponto essencial para sustentar o plano, com isso, a Apple desenvolveu o Dave, um robô que utiliza inteligência artificial. Dave será capaz de recuperar materiais magnéticos raros, como o tungstênio e reaproveitá-los na fabricação de novos aparelhos. A Carnegie Mellon University abraçou a iniciativa e se tornou parte do membros parceiros a fim de desenvolver novas soluções de engenharia a partir de materiais recicláveis.

Aporte de US$ 100 milhões

A decisão de modificar o modo de trabalho e imergir no modelo sustentável resultou em uma parceria com o fundo Us-China Fund, que investirá US$ 100 milhões em projetos de eficiência energética para fornecedores e parceiros da companhia.

Já partindo com o pé direito, as primeiras modificações feitas pela empresa é o uso total de energia renovável. Os fornecedores também foram escolhidos pelos mesmos critérios, tanto que os 70 também adotarão o uso exclusivo de energia limpa em seus processos de fabricação.