Papel moeda aquece mercado e gera liquidez em estabelecimentos comerciais

Começam a surgir no Brasil iniciativas que permitem saques de dinheiro em varejo

No Brasil, o papel moeda ainda tem muita relevância para boa parte da população. Atrelado a isso, tem-se a necessidade de tornar o serviço mais barato e eficiente, democratizando o  acesso ao sistema bancário. É por isso que começa a surgir no país o saque de dinheiro em estabelecimentos comerciais, alinhando o mercado brasileiro a práticas adotadas há décadas em outros países. 

Segundo reportagem do Valor Econômico, a TecBan, dona da Rede24horas, lançou nesta semana o saque no varejo. A medida, que visa permitir que clientes utilizem o comércio para concluir operações de retirada de dinheiro, estará disponível para cerca de cem instituições financeiras, de pagamentos e fintechs parceiras que querem oferecer o serviço.

Centro do Guilherme, no Maranhão, está entre as 15 localidades iniciais em que o serviço será oferecido. Além do município maranhense estão inclusos também Piracuruca, no Piauí, e Garrafão do Norte, no Pará. A expectativa da TecBan é chegar a 100 mil estabelecimento até o fim do ano. 

A operação de saque deverá ser feita no caixa, utilizando cartão – em um sistema integrado ao estabelecimento credenciado – ou QR Code – gerado num totem na loja ou no aplicativo de algum banco digital ou fintech. 

Segundo justificativa da empresa em atender áreas remotas, 60% dos saques em dinheiro são feitos por consumidores das classes C, D e E, principalmente nos rincões do país. 

Ainda segundo reportagem do Valor, outra motivação é que o dinheiro em circulação corresponde a apenas 3,9% do PIB brasileiro. Isso significa que o Brasil precisa ser mais eficiente para o dinheiro circular rapidamente. Nesta pandemia do novo coronavírus, o dinheiro em circulação aumentou 30% em virtude da distribuição do auxílio emergencial. 

O saque de dinheiro no Brasil já foi testado anteriormente. Em 2010, Visa e Mastercard criaram um projeto similar, mas que não teve grande adesão, sendo descontinuado.