Agrotechs dão solução para gerenciar fazendas remotamente

O produtor Eduardo Godoi acompanha 2 mil quilômetros de distância fazendo uso de serviços digitais

Foto: reprodução

Com a possibilidade de estar em vários locais ao mesmo tempo, por meio de acesso tecnológico, o produtor Eduardo Godoi, sócio e diretor técnico da Agropecuária Reunidas do Papagaio, acompanha mais de 2 mil quilômetros de distância, um sítio no Vale do Ribeira, no estado de São Paulo, de perto mesmo estando longe.

Durante o período de pandemia, em que as recomendações pediam para que, se possível, as pessoas estivessem em suas casas, os meios tecnológicos foram bastante importantes para todos os setores brasileiros.

Redução de custos

Eduardo planta, no período de ano em ano, a oleaginosa seguida do milho safrinha e do milho de pipoca, que de 3,6 mil hectares, cobrem 2,2 mil hectares da área total. Com a renovação no modo de executar o serviço braçal, a operação remota facilita a vida do produtor. Ele não deixa de comparecer ao local de colheita, mas com a convergência para os serviços digitais, vem sendo possível reduzir custos e solucionar dores recorrentes no dia a dia.

O coordenador do centro de inovação AgriHub, Otávio Celidônio, diz que a pandemia pode ser considerada um catalisador da adoção de tecnologias no campo, porque muitos foram obrigados a experimentar ferramentas que estavam deixando para depois. Para ele, claro que vão ter categorias de serviços mais procuradas agora, como aquelas que evitam o contato pessoal, mas a virada é mesmo no mindset do produtor.

O produtor pode ceder espaço para tornar as chamadas em vídeo mais comuns, comprar insumos e até vender a produção pela internet. Uma vez mergulhado nesse universo, a tendência é ele ir aderindo a outras ferramentas. O objetivo é se aperfeiçoar e trazer mais recursos tecnológicos para a jornada.

Otimização de indas e vindas

Em um futuro próximo, haverá modificação de clima, máquinas, pragas, silos. Eduardo relata que não pretende deixar de visitar o campo nem deixar de tomar decisões finais por ele mesmo, mas otimizar suas idas e vindas conforme os alertas das plataformas digitais.

Godoi diz que a evolução proporcionada por elas é contínua e se reflete de alguma forma na sua produtividade, tendo como aliados, claro, também o clima e os manejos. Foram 65 sacas de soja colhidas na última safra. Quanto à safra de milho, em média, a previsão aponta para o ciclo 2019/20 125 sacas por hectare ante 106 saca no ciclo 2017/18.

Intensificação do mundo digital durante a pandemia

Ao perceber as facilidades do mundo tecnológico, Godoi ressalta que evita incorporar qualquer coisa que não faça sentido na sua gestão e que se questiona sempre quanto ao porquê de usar cada ferramenta que tem na fazenda, o que recomenda para quem intensificou a caminhada no mundo digital durante a pandemia.

O CEO da Orbia, Ivan Moreno, observa que entre as soluções mais procuradas em meio à pandemia estão serviços de monitoramento de lavouras e os de informação, como a AtomicAgro, espécie de rede social para pequenos e médios produtores.