Cresce a procura por imóveis maiores durante a pandemia

As casas, por exemplo, tiveram procura de 42% em pedidos dentro e fora de condomínios

Foto: reprodução

De acordo com dados obtidos pelo site QuintoAndar, a busca por casas e apartamentos com maior espaço cresceu muito durante a pandemia. Entre o período de 6 de abril e 25 de maio, locais mais amplos, com pelo menos quatro quatros subiu 67%. Apenas um quarto teve aumento de 8%, já dois e três dormitórios tiveram crescimento lento, com taxas de 4% e 6%, respectivamente.

Casas se tornaram boas opções para os clientes, com salto de 42% em pedidos dentro e fora de condomínio. Esse aumento está atrelado ao quesito segurança, com aumento de 76% na aceleração dos imóveis com entorno fechado.

Questões de privacidade

Estar em um local fechado durante 24 horas não é considerado fácil, quando o ambiente não contribui, se torna mais difícil ainda. A fim de ter mais espaço e se sentir menos “presa”, a designer Julia Stabel, de 26 anos, procura um apartamento maior depois de dois anos morando com o namorado em um estúdio de 35 metros quadrados.

Os dois, que precisam de um bom espaço para realizarem suas tarefas profissionais, se viram em uma “sinuca de bico” ao precisar dividir um local mínimo para o casal e seus equipamentos. Para Julia, a convivência fica mais difícil porque não tem nem portas para os separar.

A falta de privacidade virou motivo de desconforto entre casal. As sessões de terapia de Julia com a psicologa precisam acontecer durante a saída do namorado para o supermercado. A designer relata que como o apartamento é próprio, a ideia é usar o valor do aluguel para abater o que pagarão em um maior, mesmo que seja um pouco mais caro.

Separação de cômodos

Outro caso ligado à privacidade entre quatro paredes aconteceu com Amanda Sborgi, de 29 anos, a advogada deixou sua planta de apartamento em Pinheiros para comprar um outro espaço para ela e o namorado. Amanda diz que o apartamento tinha 64 metros quadrados, mas 20 eram de varanda. Foi preciso colocar nela uma uma escrivaninha que comprou para trabalhar.

O novo endereço é divido em 90 metros quadrados. O investimento depositado no novo ap foi devido o FGTS liberado para o casal. A advogada informa que conseguiram negociar um valor de 20% menor que a tabela de mercado. A maior exigência de quem vai à procura de um novo imóvel diz respeito aos cômodos bem definidos, quesito representando por 67%, segundo o levantamento.

Laudimiro Cavalcanti, diretor executivo do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Rio de Janeiro explicou que é uma tendência, sim, e corretoras dão indicativos que vão pisar no freio nos lançamentos de apartamentos muito pequenos. Mas o o que se tornou central é que se tenha um lugar destinado para o trabalho remoto.