Pandemia sai de controle na Flórida: saiba os motivos

Principal destino de brasileiros nos EUA viu o número de casos triplicar no último mês

Principal destino de brasileiros nos EUA, a Flórida vem batendo recordes de novas infecções diárias. Até então, a pandemia parecia relativamente controlada no estado – em relação a estados como Nova York,  Nova Jersey, Illinois e Massachusetts -, mas o total de casos triplicou em junho, atingindo seu maior número na quinta-feira (02/07) com 10.109 infecções em 24 horas. Hoje, a Flórida é o quinto estado dos EUA com mais casos de covid-19. 

Um dos motivos para isso foi o relaxamento progressivo das medidas de isolamento social, que permitiu a reabertura de praias, hotéis, bares e restaurantes no início de junho. Muita gente voltou a socializar de uma vez só, e os lugares ficaram cheios. 

Há também muita resistência em relação ao uso obrigatório de máscaras em público. No estado, houve protestos e durante uma audiência pública no condado, as autoridades locais foram acusadas de serem “ditadores comunistas”, violando a liberdade de escolha de cidadãos americanos. 

Além deles, há os negacionistas da pandemia, que não acreditam no vírus, achando que é tudo parte de uma campanha de controle social das antenas 5G ou um vírus da China para dominar o mundo. 

Na última quinta-feira, os EUA, país com mais casos de covid-19, bateu o recorde com mais de 55,2 mil diagnósticos em 24 horas, sendo um quinto disso na Flórida.

O governador do estado, Ron DeSantis, afirmou que o aumento do número de novos casos era devido ao maior número de testes, mas reconheceu seu equívoco. Apesar disso, não vai interromper a reabertura da economia, ainda que tenha sido obrigado a fechar os bares novamente para conter a propagação do vírus. 

No entanto, a Flórida tem apenas a 26ª taxa de incidência de mortes a cada 100 mil habitantes entre os 50 estados americanos. Isso se deve ao fato de que a maior parte dos infectados têm até 40 anos.

Contudo, segundo o Época Negócios, “os epidemiologistas ainda chamam atenção para o fato de que um aumento do número de novos casos pode se refletir sobre as estatísticas de novas mortes, porque, normalmente, isso leva algumas semanas para acontecer”.