Exército Brasileiro lançará game gratuito para melhorar imagem perante a juventude

O game teve moldes de títulos de sucesso como "CS:GO" e "Rainbow Six Siege

America's Army, game desenvolvido por americanos, referência para o jogo brasileiro (foto: reprodução)

O universo de games ganhará, até em 2021, um jogo de tiro em primeira pessoa online. A novidade tem à sua frente o Exército Brasileiro, que busca descontextualizar estereótipos criados diante da imagem do Exército Brasileiro. De antemão foi antecipado que o game tem como principal objetivo conscientizar a importância dos assuntos de defesa do país.

O game teve moldes de títulos de sucesso como “CS:GO” e “Rainbow Six Siege. Por se tratar de um projeto ligado ao Exército Brasileiro, o “Misão Verde-Oliva” segue documentado e segundo foi divulgado em portaria do órgão em 10 de junho, o jogo pretende desencadear impressões positivas sobre o Exército Brasileiro nas faixas etárias de 16 a 24 anos.

Avaliação de 90 dias

O estúdio responsável pelo desenvolvimento do projeto será um estúdio brasileiro e o game será avaliado durante 90 dias, após esse prazo, dependendo do desenvolvimento será continuado. A equipe de avaliação usará as instalações dos resultados da pesquisa Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEX).

O formato deve ter alta qualidade, incluindo grágicos realistas. O jogador faz seu jogo, segundo seu próprio ponto de vista. Vale ressaltar que o jogo tem ação em primeira pessoa. O jogo possibilita jogar sozinho e escolher seus adversários. Para que não tenha ligações com o contexto atual vivido pelo país, o cenario do game envolve um enredo que se passa em 2025 e um país invasor fictício será o inimigo.

Vestimentas, armamento e veículos

É regra não fugir do dia-a-dia real vivido pelos militares do Exército Brasileiro. Quanto às questões de vestimentas, armamento e veículos usados durante a partida, seguirão os mesmos utilizados pelos militares. Para reclamações contínuas, é possível que o jogador possa recorrer a um tribunal fictício que está sendo estudado pelo Exército, por meio do recurso, dependendo da ocorrência, será atribuída penalidade, como, por exemplo, um tempo indeterminado sem jogar.

Os jogadores não irão presenciar cenas que envolvam batalhas enfrentadas em cenários como favelas e é proibido mostrar muito sangue, afim de desmontar a ideia de violência exagerada. Segundo a portaria, o risco de qualidade baixa do game e de recepção negativa pela sociedade é baixa, alegando que o mercado de games no Brasil é consolidade.

Na tentativa de contato com o Exército, o portal G1, a fim de obter maiores informações sobre o projeto, a resposta obtida foi que os questionamentos formulados ainda não estão em condições de ser respondidos. Os custos, as possibilidades de parcerias e os cenários de aplicação serão discutidos dentro do prazo concedido.

America’s Army como principal referência

O jogo adaptado ao modelo que segue o Exército Brasileiro tem como principal referência o “America’s Army”, lançado em 2002 e que está em desenvolvimento a quinta versão. O game foi baseado no Exército dos Estados Unidos. O jogo americano se volta para a informação e educação dos cidadãos sobre a atividade das Forças Armadas do país.

O jogo desenvolvido pelos americanos, segundo um pesquisa do Massachusetts Institute of Technology (MIT) de 2008, aponta que entre o público jovem, a faixa etária de 16 e 24 anos melhoraram sua percepção dos militares com “America’s Army”.

Um desenvolvedor de games que preferiu não se identificar relatou que acredita que os estúdios de games brasileiros estão prontos para fazer um trabalho de qualidade, mas que o projeto não será barato. Contudo, ele vê dificuldades no alcance da audiência, de 15 mil jogadores online e 3 milhões de downloads porque “Missão Verde-Olive” não vai ter apelo superior aos jogos já disponíveis no mercado.