Bancos “invadem” o setor elétrico após baixa da taxa Selic

Os novos caminhos ligam os bancos à sofisticação nas negociações da commodity

Redução da taxa Selic reaproximou o setor elétrico de instituições financeiras (foto: reprodução)

Setor elétrico e de energia, depois de anos trilhando caminhos separados, são reaproximados após diminuição da taxa Selic. o objetivo é diversificar a prestação de serviços a clientes, os bancos passam a assumir lugares importantes no mercado de livre de energia, a fim de diversificar fontes que deve ganhar liquidez e novos produtos com esse movimento.

O Valor apurou alguns bancos que estão participando da entrada no mercado de energia: Itaú Unibanco, ABC Brasil, Voiter (ex-Indusval), BMG e Bocom BBC. Outras instituições financeiras apoiam a causa, mas já têm comercializadoras próprias, como o Santander e BTG Pactual.

Demanda superior a 500 kW

Os novos caminhos ligam os bancos à sofisticação nas negociações da commodity a fim de obter conquistar novas fontes de receitas. Estará aberto ao consumidor a escolha de seus fornecedores para aqueles com demanda superior a 500 kW, a partir de 2023. De acordo com estimativa do Santander o volume negociado nesse ambiente, que foi de R$ 134 bilhões em 2019, deve triplicar em até uma década.

O Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia (BBCE) já está apto, após autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a atuar como um mercado de balcão organizado. Já existe no Brasil um mercado de derivativos de energia, mas já começam a surgir iniciativas para desenvolver um mercado mais amplo. A proposta é lançar uma plataforma eletrônica de negociação de contratos baseados na commodity, a novidade é prevista para agosto sob responsabilidade do executivo Carlos Ratto (ex-Cetip e ex-B3).

Empresas e grandes consumidores de insumo

Autorizado a atuar na comercialização pelo Banco Central (BC), o vice-presidente de tesouraria da ABC Brasil, Antonio Nicolini relata que tem capital, uma área comercial experiente, conhecimento em crédito, um banco de investimentos maduro e uma tesouraria efetiva. A parceria entre os bancos visam beneficiar seus clientes por meio de compra e venda de energia com destino às grandes empresas ou consumidores de insumo.

Com alguns longos anos na área, Oderval Duarte assume o comando da comercializadora do Itaú, atrelada à tesouraria. A pretensão é expandir a venda de energia para outros países, de maneira que seja adquirida até mesmo por pessoas físicas.

Rafael Thomaz, executivo-sênior responsável pela mesa de energia do Santader ressaltou que a dinâmica do setor mudou. Os produtos bancários estão mudando, e é preciso buscar novas fontes de receita. Thomaz espera que a comercializadora fique entre as primeiras dez até o fim deste ano, lembrando que ela já faz parte das 20 maiores do mercado, para ele, o resultado para a tesouraria é representativo.