Produção de veículos no Brasil cai 84,4% em maio

Os números foram divulgados nesta pela associação das fabricantes, a Anfavea

Foto: Reprodução

A produção de veículos no Brasil no mês de maio caiu 84,4% em comparação com o mesmo período no ano passado. A informação foi divulgada na última sexta-feira (5) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). De acordo com Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, trata-se do pior maio desde 1992.

Com a retomada gradual de atividades em algumas montadoras, houve alta de 2.232% na produção em relação a abril. Mas, na prática, o número impactante reflete apenas o retorno das atividades de algumas fábricas. Em abril, praticamente todas ainda estavam paralisadas como medida de distanciamento social pela pandemia do coronavírus.

Segundo o presidente, embora junho sinalize algum retorno mais efetivo às atividades, haverá sem dúvida o pior trimestre da história do setor automotivo. Ele afirma que resta esperar por uma reação no segundo semestre capaz de evitar maiores danos à cadeia automotiva.

Foram produzidos 43,1 mil veículos. A produção de caminhões caiu 63,9%, o equivalente a 4,1 mil unidades, e as máquinas agrícolas e rodoviárias foram produzidas 3,6 mil, queda de 29,5%. As exportações de carros registraram recuo de 90,8%, e de maquinas 39,4%, na comparação de base anual.

O único dado positivo da Anfavea foi o crescimento de vendas de 23,3% das máquinas. Nesse quesito, autoveículos caíram 74,7%, e os caminhões recuaram 47,2%. No acumulado do ano, a baixa é de 49,2% sobre janeiro a maio de 2019, com 631 mil veículos produzidos contra 1,24 milhão no mesmo período do ano passado.

Para Moraes, ainda não é possível refazer projeções para o ano na produção e em exportações, já que cada país enfrenta a pandemia de forma diferente. Mas a associação apresentou uma perspectiva para as vendas, que devem voltar ao mesmo patamar de 2004.

A previsão é de que 2020 termine com 1,675 milhão de veículos emplacados, um recuo de 40% em relação a 2019. No início do ano, antes da chegada da pandemia, Anfavea projetava crescimento de 9,4% nas vendas em 2020, voltando ao patamar de 3 milhões de unidades que não é visto desde 2014.