Setores defendem prorrogação da desoneração da folha até 2022

O deputado Orlando Silva, relator da MP 936, defende a prorrogação

Deputado Orlando Silva (PCdoB-SP)

Para evitar mudanças na forma de recolhimento do tributo devido à pandemia de coronavírus, segmentos contemplados pela desoneração da folha estão querendo uma prorrogação do benefício por dois anos. A princípio, a desoneração acabaria em dezembro deste ano. 

Entre os defensores da prorrogação, está o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP). Ele é o relator da MP 936, medida que permite suspensão de contratos de trabalho e redução de jornada.  

Segundo reportagem do Valor Econômico, a prorrogação permite o possível surgimento de uma nova forma geral de tributação, com um período de transição para os segmentos que estão atualmente na desoneração. 

Mas, ainda segundo a reportagem, há grande apreensão sobre o impacto que uma nova forma de recolhimento poderá trazer neste momento.

Como funciona a desoneração 

A desoneração da folha foi instituída em 2011. Ela permite que as empresas optem por pagar a contribuição previdenciária patronal padrão de 20% sobre a folha de salários ou um tributo que incide sobre a receita bruta.

No benefício, estão contempladas empresas de software e de serviços de tecnologia, setor têxtil, construção civil, comunicação social, transporte público, calçados, call center e outros.