Uber lança no Brasil ferramenta para envio de objetos pessoais

Serviço está disponível em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Salvador

Foto: Reprodução

O Uber anunciou o lançamento da categoria Uber Flash para o envio de objetos e artigos pessoais. A ferramenta, que funcionará entre 6h e 23h todos os dias, já está em funcionamento em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Salvador, podendo ser ampliado para outras cidades, segundo a companhia.

O Uber Flash, que já havia sido lançado em outros países com o nome de Uber Connect, inicialmente será temporário, e foi criado para apoiar os motoristas ligados à empresa em meio à pandemia do novo coronavírus. A demanda por viagens no aplicativo caiu 80% desde o início das medidas de distanciamento social para reduzir a disseminação do vírus.

Para utilizar a ferramenta, basta pedir uma viagem pelo apliativo utilizando a categoria “Uber Flash”. A empresa recomenda que o remetente, que será o responsável pelo pagamento, já deve estar com o pacote pronto, e deverá fornecer infomações ao motorista pelo chat, como o nome de quem irá receber a encomenda no endereço final.

O custo será o mesmo de uma viagem no UberX. De acordo com os critérios da empresa, será proibido o transporte de itens proibidos por lei, nem que ultrapassem R$ 500. O objeto enviado deve será de porte pequeno ou médio, que possa ser acomodado com segurança no porta-malas do veículo.

Caso ocorram danos ou extravios, a Uber disse que os itens enviados não possuem seguro e o aplicativo não será responsável por qualquer ressarcimento. A empresa aconselha que seja compartilhado o trajeto em tempo real do motorista até o destino, entre o remetente e o destinatário. Caso o motorista precise retornar ao ponto de coleta, o preço da viagem será ajustado.

A nova ferramenta faz parte de uma série de medidas que a empresa vem tomando para amenizar o impacto do coronavírus em suas operações. O menor número de corridas durante os três primeiros meses deste ano fizeram com que a Uber fechasse o primeiro trimestre com um prejuízo de US$ 2,9 bilhões(R$ 17,16 bilhões).