Apple e Google estudam sistema de rastreamento de pessoas com a Covid-19

O sistema de rastreamento funcionará por meio de conexão Bluetooth Low Energy

O sistema desenvolvido pela Apple e o Google ainda está em sua fase inicial (foto: reprodução)

Sistemas de rastreamento vem sendo testados por gigantes do mercado de tecnologia desde o início da pandemia. A fim de contribuir com a redução de infectados pelo novo coronavírus, a Apple e o Google, desenvolveram um sistema que funcionará por meio de conexão de Bluetooth Low Energy e será acionado sempre que houver alguém infectado. O usuário só precisa estar conectado a ele, assim, será imediatamente alertado que próximo do local onde está existe alguém com o vírus.

Sem exposição do infectado

Não haverá exposição do usuário que estiver como vírus no organismo, já anteciparam as empresas. A criptografia usada pelo sistema será reforçada justamente para evitar esse tipo de incidente. A Apple e o Google divulgaram exemplos de interface para possíveis aplicativos e dados sobre como o sistema será utilizado.

Para que os resultados sejam mais precisos e o sistema aja com maior rapidez na identificação de infectados, as empresas irão solicitar a permissão dos usuários para serem rastreados constantemente. Códigos de referência como SDK para Android e ferramentas Xcode para iOS são fornecidos para agências de saúde pública em busca de facilitar o desenvolvimento desses aplicativos que são de extrema importância para o momento.

Diversos órgãos e instituições se dispuseram para auxiliar com o desenvolvimento do sistema, mas as empresas mantiveram a ideia inicial de trabalhar unidas e não nomear parceiros para o projeto. Ainda que recebessem propostas de governos para levar variadas versões para alguns locais, as empresas já alertaram que haverá restrição do sistema a único aplicativo por país.

Princípios

Mesmo preferindo manter o projeto com uma equipe à frente, foram propostos princípios para os parceiros interessados. O primeiro e principal deles é não desviar o objetivo do sistema. Os aplicativos devem ser usados estritamente para a localização de pessoas com a Covid-19. Não será permitida manifestações como alegar propriedade no sistema por determinado país ou terceiros desenvolvedores. E ao fim da pandemia, é proibido que empresas continuem fazendo uso do sistema.