Ele deu a solução para a pandemia do Influenza 100 anos atrás

Thomas Tuttle prescreveu máscara faciais e distanciamento social para parar a gripe espanhola

Por Letícia Höfke 

Não são raros os cientistas que sofrem oposição. No Brasil, temos o exemplo de Oswaldo Cruz, que tentou promover a vacinação em massa da população e teve reações contra.

O epidemologista Thomas Tuttle, dos EUA, também teve esse mesmo problema ao sugerir, há mais de 1 século, o uso de máscaras e distanciamento social para parar a gripe espanhola. 

Nascido no Missouri em 1869, Thomas Dyer Tuttle foi uma figura poderosa, embora polarizadora, contra a gripe espanhola. As medidas dele – encorajar o fechamento de espaços públicos, o distanciamento social e multar quem não está de máscara – ainda são relevantes para lutar contra epidemias atualmente. Em 1918, nos jornais, Tuttle também anunciava que era para ficar em casa e evitar espirrar ou tossir nas mãos. 

Houve muitos protestos, mas as cidades e estados que adotaram as medidas – por exemplo, Nova York, St. Louis e Los Angeles – viram sucesso, já lugares como São Francisco e Filadélfia, em que as medidas foram menos restritivas, tiveram um aumento considerável de mortes. 

Dr. Tuttle, no entanto, já estava acostumado com o valor da ciência acima da opinião popular. Em 1909, ele ganhou as manchetes nos jornais quando, para grande consternação do público, defendeu o fim das quarentenas para a varíola. Ele queria encorajar as pessoas a se vacinar.  Tuttle e o Conselho de Saúde de Montana promoveram vacinações obrigatórias, além da circulação de um panfleto com os benefícios daquilo.

Em janeiro de 1919, quando a gripe voltou, Thomas Tuttle, como comissário da saúde de Washington, impulsionou os legisladores da capital do estado a proibirem bailes e outras reuniões sociais, assim como limitar a quantidade de pessoas que poderiam participar de reuniões públicas e a que distância elas deveriam ficar umas das outras. 

Tanto a cidade como o condado votaram contra essas medidas. Em resposta, o comissário procurou o Conselho Estadual de Saúde para reforçar suas ideias. Então, Thomas Tuttle perdeu o emprego. 

Thomas Tuttle morreu em 1942 e quase 80 anos após sua morte, seu legado para lutar contra pandemias continua.