Pandemia incentiva o uso de pagamentos por aproximação, diz Mastercard

Entrevistados concordam que pagamentos por aproximação são uma forma mais limpa de realizar transações


Devido à pandemia de coronavírus, muitos consumidores tiveram que adaptar suas rotinas e mudar alguns de seus hábitos, incluindo a maneira de realizar pagamentos. Segundo levantamento realizado globalmente pela Mastercard, 69% dos brasileiros entrevistados afirmaram que a pandemia os incentivou a usar pagamentos por aproximação.

O número expressivo se dá, principalmente, pelo fato de que sete entre dez latino-americanos estão preocupados com os impactos do uso do dinheiro em sua saúde, diminuindo assim a sua utilização. No Brasil, 14% dos entrevistados deixaram de utilizar dinheiro durante a pandemia, enquanto 63% diminuíram significativamente o seu uso.

No comparativo com o dinheiro, 88% dos brasileiros acreditam que os pagamentos por aproximação são mais convenientes do que pagar em dinheiro, enquanto 82% acreditam que essa forma de pagamento é mais rápida e 78% consideram que ela é mais segura. Os entrevistados concordam que pagamentos por aproximação são uma forma mais limpa de realizar transações.

João Pedro Paro Neto, Presidente da Mastercard Brasil e Cone Sul, afirmou que a tecnologia NFC garante um meio prático e seguro de finalizar as compras, não só no atual cenário. Para ele, no pós-pandemia, a tendência aponta para uma maior aceleração dessa forma de pagamento no Brasil.

Sobre os locais em que os pagamentos por aproximação foram mais utilizados desde o início da pandemia no Brasil, supermercados, mercados e mercearias lideram com 79%, seguido por farmácias (67%) e fast foods ou restaurantes (35%).