Faculdades adotam Educação a distância como solução para a crise

A Fundação Getulio Vargas e a Microsoft, por meio da iniciativa, pretendem reformular o formato de ensino on-line

Instituições inovam na educação virtual no Brasil (foto: reprodução)

Um projeto pensado em conjunto pela Fundação Getulio Vargas e a Microsoft teve impulso recentemente e passará a ter início brevemente. Ambas usarão a tecnologia em prol dos alunos que estão sem aulas presenciais por conta da pandemia do novo coronavírus. O intuito da parceria é reformular o formato de ensino on-line e não abrir mão de educação com qualidade.

Por enquanto, as aulas estão sendo aplicadas para alunos de mercado e doutorado em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. 400 alunos do MBA de Big Data e de data sciente também estão entre os alunos que recebem as aulas virtuais.

Diversas participantes do ensino à distância

Seguindo os passos das instituições citadas acima, o âmbito virtual também recebe a Escola de Negócios e Seguros (ENS), com a Sala do Futuro, e o lançamento é previsto para maio.

Além de participarem 40 alunos remotos, 30 alunos inscritos participação das aulas presenciais no espaço físico que será localizado na Rua Augusta, em São Paulo.

O valor investido pela instituição foi de 1 milhão e contou com a contribuição da Mashme e a Samsung. Devido à pandemia que afeta todos os estados do país, as aulas presenciais não terão início, por enquanto, apenas as aulas virtuais iniciarão brevemente.

A Sala do Futuro veio após uma pesquisa sobre soluções de educação à distância, usadas atualmente em universidades estrangeiras, particularmente, Oxford e Stanford. O diferencial da Sala do Futuro é a experiência de ensino que ela cria. É uma nova proposta pedagógica, relata o diretor geral da ENS, Tarcísio Godoy.

Big data com tablet

A respeito do formato das aulas e capacidade dos equipamentos usados pelos alunos, João Lins, diretor do FGV In Company informa que a solução da Microsoft disponibiliza recursos para um grande processamento de dados, por meio da criação de máquinas virtuais, que o aluno acessa remotamente, sem a necessidade de um equipamento potente em casa. Eles podem fazer aplicações sofisticadas de big data com tablet.

Para logo, a intenção das envolvidas é ampliar a rede de compartilhamento dos conhecimentos dessas experiências. Godoy explica que essa solução de ensino à distância, do modo com foi formata não é de massa. A sala do futuro é para ganhar aprendizado para levar a experiência a um volume maior de pessoas.