Israel testará vacinal oral contra o coronavírus a partir de junho

Os estudos para produzir a vacina oral contra a Covid-19 têm à sua frente Chen Katz,líder do Instituto de Pesquisas da Galileia

Vacina oral contra a Covid-19 passa a ser testada em humanos a partir de junho (foto: reprodução)

O líder do Instituto de Pesquisas da Galileia (MIGAL), Chen Katz, revelou em primeira mão ao jornal The Jerusalem Post o início de teste da vacina oral produzida contra a Covid-19. Desenvolvida em Israel, a vacina começa a ser testada em humanos a partir do dia 1ª de junho.

O início dos testes foi baseado no mesmo composto já usado em vacina animal. Um dos mais perigosos e preocupantes sintomas da Covid-19 são agravantes ligados à dificuldade na respiração ou falta dela. Baseado nisso, por se tratar de doenças comuns nesse tipo de ave, a vacina visou tratar a bronquite infecciosa de galinhas e, a partir do resultado, iniciar a fase de testes em humanos.

Vacina estudada há mais ou menos quatro anos

É importante ressaltar que esse estudo não teve início agora, mas sim, já vem sendo analisado há pelo menos quatro anos. Katz defende em poucos dias o laboratório da MIGAL deve obter os componentes ativos da vacina para imunizar pacientes humanos contra o novo coronavírus.

A vacina oral para humanos deve contar com materiais genéticos diferentes da solução aplicada em aves. O objetivo consiste em induzir a formação e a secreção de uma proteína quimérica. A estrutura orgânica, por sua vez, carrega o antígeno viral até ser absorvida por células dos tecidos da mucosa, fazendo com que o corpo traduza o material genético do vírus e passe a produzir anticorpos, explica o Katz.

O cientista destaca que além da Covid-19, outros vírus podem ser tratados com a mesma vacina, já que a pesquisa desenvolveu uma tecnologia geral, não restrita apenas ao novo coronavírus. Essas doenças adquiridas pelas galinhas são causadas pelo mesmo tipo de vírus encontrado em células humanas. Elas partilham o mesmo mecanismo de infecção, podendo aumentar a chance dos humanos apresentarem bons resultados após serem vacinados.

O próximo passo é antecipar processos burocráticos, partindo para a mais breve comercialização da vacina. O instituto MIGAL contou com o apoio financeiro do Ministério de Ciência e Tecnologia de Israel.