Economistas encontram dificuldade para prever economia por causa do coronavírus

Este ano, o Produto Interno Bruto terá retração de 0,9%, seguido da expansão de 2,5% em 2021

O coronavírus está afetando o Brasil todo, em diversos âmbitos, e a economia não fica de fora. De acordo com o Valor Econômico, este ano, o Produto Interno Bruto (PIB) terá retração de 0,9% e apenas 6 das 36 instituições consultadas pelo jornal acreditam em um cenário positivo. 

Ainda segundo o Valor, o desenvolvimento da crise do coronavírus impõe um grau de volatilidade nunca antes registrado para projetar cenários, já que não há parâmetros do passado com os quais os economistas podem comparar e achar métricas razoáveis para as projeções. 

Há setores da economia que sofrem diretamente com a crise- como aéreo e hotéis-; no entanto, mesmo os segmentos que ainda não sofreram com a quarentena – como o setor da soja – estão preocupados devido às barreiras que vários Estados estão impondo à circulação. 

O Valor explica que uma das previsões é que o efeito maior da crise vai se dar no segundo trimestre, em que o contágio atingirá seu pico, causando estresse máximo ao sistema de saúde em torno da metade do trimestre. Com a queda esperada na taxa de crescimento de novos contágios no final do segundo trimestre, imagina-se uma volta à normalidade no terceiro trimestre.