Principais bancos vão prorrogar pagamento de dívidas

Cheque especial e cartão de crédito não terão pagamento prorrogado

Foto: Reprodução

 A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou que os cinco maiores bancos associados — Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú Unibanco e Santander — vão prorrogar o pagamento de dívidas, por até 60 dias, de pessoas físicas e pequenas e médias empresas que tiverem problemas por causa da pandemia de coronavírus. 

A Febraban afirma que entende que o momento se trata de um choque profundo, mas de natureza essencialmente transitória. A rede bancária e seus canais de atendimento ficarão à disposição do público e prontos para apoiar todos os que estejam enfrentando dificuldades momentâneas em função do atual momento de incerteza econômica. 

A possibilidade será oferecida a clientes que estejam com os pagamentos em dia e limitados aos valores já utilizados. Em nota, a Febraban declara que os bancos estão engajados em continuar colaborando com o país com medidas de estímulo à economia. A medida não vale para cheque especial e cartão de crédito. 

A economista do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Ione Amorim, ressalta que é preciso ficar atento, ao renegociar, se o banco está propondo uma pausa no contrato, sem cobrança de juros pelo período de suspensão. Segundo ela, vale a pena se for uma pausa nesses contratos e desde que o consumidor não tenha que arcar com juros por conta dessa suspensão.

Ela explica que a cobrança de juros de acerto seria abusiva, dadas as condições em que essas medidas estão sendo adotadas neste momento. Ao fazer o pedido, também é preciso confirmar com o banco se não haverá acúmulo de prestações, passados os 60 dias, com as que estão por vencer.

De acordo com o Banco Central, estima-se que aproximadamente R$ 3,2 trilhões de créditos possam se beneficiar da medida. Para solicitar a prorrogação de dívidas, o cliente pode ligar para seu gerente ou utilizar os canais eletrônicos de atendimento.