Conheça a história de quem deixou sua área de formação para empreender

Renata Garcia é formada em medicina e hoje abriu sua própria padaria; Twyla Vieira, é engenheira ambiental e, atualmente, consultora de imagem

Renata Garcia, formada em medicina e, atualmente, é dona da padaria De Forno e Fogão (foto: reprodução)

Nem sempre um diploma obtido por meio de uma graduação vai dar à pessoa satisfação no trabalho exercido. Resultado disso é a mudança de carreira feitas por mulheres que abriram mão da carteira de trabalho assinada para seguir aquilo que realmente desejavam fazer.

Graduada, doutora e mestra

A médica mineira Renata Garcia tinha a profissão que aos olhos de muitos é segurança de vida. Formada em medicina desde 1996, ela se especializou em oncologia para adultos, passou pelo mestrado, doutorado e atuava na área assistencial de alguns hospitais.

Mas diferente do que parece, Renata não estava mais satisfeita dentro de sua área de formação, foi aí que decidiu abrir uma padaria em São Paulo. Hoje, a De forno e Fogão, nome que recebeu a padaria, já está há seis anos no mercado.

Carreira rentável ou mais tempo para família?

Renata se tornou empreendedora ao perceber que a medicina tomava muito de seu tempo, ela, que deseja ser mãe um dia, não via que uma coisa combinava com a outra. Família requer atenção, mas dentro da área da saúde, os horários nunca são decididos pelos profissionais.

Mas a mudança repentina não surgiu do nada. Os pais da médica já tinham um restaurante de culinária contemporânea, segundo ela, não sabia o que seria, mas tinha certeza de que faria algo nessa área um dia. Durante algum tempo, Renata ajudou os pais no trabalho, com isso, ela passou a vender pães de queijo em casa e, a partir daí, seu lado empreendedora começou aflorar.

Renata relata que hoje pode ser muito mais do que já foi, pode escrever uma nova história a qualquer momento. Ela diz usar de sua curiosidade, disciplina e inovação da medicina na padaria. Hoje se sente muito realizada colocando literalmente a mão na massa todos os dias.

De engenheira a consultora de imagem

Outro exemplo de quem abdicou de uma carreira “estável” e segura, foi a engenheira Twyla Vieira, que formou-se em engenharia ambiental em 2016, estudou nos Estados Unidos e passou pelo intercâmbio, além do mestrado que possui voltado aos impactos ambientais na indústria têxtil. Mas mesmo dentro de sua carreira do sonho, Twyla percebeu que ali não era onde queria estar.

A decisão de se “tornar” consultora de imagem começou a partir da ideia em abrir um closet para alugar aquelas peças que ficavam paradas no guarda-roupa. Ligada a sustentabilidade, a visão inicial era mudar a mentalidade do consumo.

Especialização que gerou reconhecimento

Após a decisão de mudança de trilhos, a empreendedora buscou se especializar na área com cursos de personal stylist e de acessórios, se tornando hoje, grande referência no tema na região de Socoraba, onde vive. Segundo ela, suas clientes sempre elogiavam os acessórias usados por ela e a procuravam para dicas.

Com isso, ela pensou, então, por que não ter a sua própria marca? Twyla uniu a consultoria de estilo e a marca de acessórios para hoje ter um modelo de negócios de consumo mais consciente, vendendo personalidade.

Transição mais segura

Twyla relatou que hoje corre atrás e faz acontecer do seu jeito e o resultado traz uma satisfação muito grande. Tudo é consequência do que se faz com amor, de estar conectado com as coisas que fazem sentido para você, atrelado aos valores e personalidades. As pessoas precisam identificar seus pontos fortes, fugir de modismos, planejar o negócio e buscar capacitação antes de abandonar o emprego, fazendo uma transição mais segura, conclui.