Taxa de desemprego cai em janeiro para 11,2%

O ponto percentual que era de 0,8 no ano passado, ficou em 0,4 em 2020

Desemprego fica em 11,2% já no início de 2020 (foto: reprodução)

Ao que tudo indica, o estado de ociosidade do brasileiro está chegando ao fim. De acordo com dados revelados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) o nível de desemprego no país caiu para 11,2% em janeiro, chegando a 11,9 milhões de pessoas.

Mesmo com passos lentos e tímida melhora quanto a situação, os resultados já podem ser vistos, tendo em vista que no ano passado, no mesmo período, o ponto percentual atingia 0,8, mas em outubro (fechamento do trimestre), já foi percebido recuo de 0,4 ponto percentual.

Datas comemorativas gera mais emprego

Um dos maiores fatores para este resultado que impulsiona a economia e tira o país do estado de taxa alta em relação ao desemprego foram as vagas temporárias que são abertas durante as datas comemorativas de fim ano.

Com essas contratações, diversas pessoas deixaram o posto de desempregados e tiveram suas carteiras assinadas em todo o Brasil. A regressão foi considerável e significativa, o avanço foi 1,3% no número de pessoas que deixaram de procurar por empregos, atingindo um novo recorde de 65,7 milhões de pessoas.

2 milhões a menos de desempregados

Num intervalo de quase três anos desde 2017, a taxa de desempregados no país é de 2 milhões a menos. Mas a espera para o cenário é melhorar ainda mais, já que ainda existem 5,6 milhões de desocupados.

A gerente de pesquisa Adriana Beringyu relata que as pessoas fora da força de trabalho são aquelas que não procuram trabalho, mas que não se enquadram no desalento. Ela não desistiu depois de procurar, ela simplesmente não quis tomar uma providência efetiva para se ocupar, seja por motivo de férias ou qualquer outro fator, não está disponível para trabalhar.

Equiparado ao ano passado, a estabilidade é maior, cerca de 94,2 milhões de pessoas estão trabalhando. Em 2019, essa massa representava cerca de 1,9 milhão de pessoas. Em ambos os anos – 2019 e 2020 – a quantidade de pessoas desocupadas permaneceu a mesma, 4,7 milhões em todo o país.

Trabalhos informais

Em 2019, 41% da população sobrevivia por meio de trabalhos informais. Hoje, essa taxa caiu para 38,8 milhões (40,7). Segundo o IBGE, mesmo com a melhora, ainda é cedo para avaliar se houve um aumento de carteira assinada em 2020.

Isso porque os dados dessa pesquisa incluem os meses de novembro e dezembro, período que ocorreu o aumento de ocupação de cargos devido ao maior fluxo de pessoas em lojas e departamentos causados pelas festas de fim de ano.