“Cozinhas fantasmas” migram do mundo virtual para o espaço físico

Um exemplo de dark kitchen que abriu seu espaço físico foi a hamburgueria IT Burger

Dark kitchen, as famosas cozinhas fantasma (foto: reprodução)

Sabe aquele restaurante que você encontra quando vai fazer um pedido mas nunca soube onde fica, como é ou quando surgiu? O modelo de “dark kitchen” (cozinha fantasma) vem caindo nas graças de várias pessoas e passou a ficar mais conhecida e popular depois que esses lugares passaram a disparar em números de seguidores e refeições super pedidas.

Essas cozinhas são localizadas por meio do mundo virtual, com apenas uma “pesquisada” e é possível encontrar várias delas. Um exemplo desse empreendimento fica na Cidade do México, a famosa hamburgueria IT Burger. Ela que tem apenas dois anos no mercado só pode ser encontrada via aplicativos, mas tem milhares de seguidores que acompanham o trabalho da hamburgueria.

Alguns destes empreendimentos ainda estão apenas nos aplicativo de delivery, mas a IT já não está apenas nas redes sociais, a hamburgueria possui seu local físico e com capacidade para os clientes consumirem os produtos no próprio local. Um dos proprietários da IT, Vicente Cruz, relatou à BBC Mundo que começar uma cozinha fantasma ajudou a ficarem famosos. Era um conceito novo e chamou muita atenção. Eles eram a hamburgueria dos “hamburgueres fantasmas”.

Um dos maiores motivos de abrir este modelo de negócio é a rentabilidade, já que se gasta bem menos com empresas que ficam apenas na rede virtual. Negócios físicos requerem mais investimento financeiro. Uma equipe pequena consegue realizar todo trabalho manual. É preciso apenas uma cozinha, um chapeiro, um produto e um aplicativo para dar início ao empreendimento.

Vicente acrescentou dizendo que começaram a cozinha onde havia uma gráfica antiga. Alugaram o espaço de uma incorporadora que possui vários prédios desabitados que têm alto custo de manutenção. A maioria desses negócios usa o aplicativo Rappi como meio de entrega. De acordo com líder do projeto Rappi Dark Kitchens para a América Latina, Stephannie Gómez, em 2018, começaram do zero, em 2019, trabalharam com 230 cozinhas.

Muitos donos de restaurantes que operam com o Rappi se queixaram de como os distribuidores levaram seus estabelecimentos ao colapso. Então, começamos a alugar locações apenas para as cozinhas. Isso reduz custos e aumenta o lucro, ressalta Gomez.

Para o jovem mexicano que ousou em abrir a hamburgueria IT, o seu negócio criado por ele e mais alguns amigos, possui apenas o formato virtual. O papel do Instagram foi muito importante. As pessoas começaram a gostar dos hamburgueres e a notícia correu, chegando até o ouvido de celebridades. Para ele, as plataformas digitais possuem um grande peso positivo e cooperam muito para o crescimento do projeto que é iniciado na rede virtual.

Villareal cita como exemplo a Mora Mora no México, um espaço vegano cujo potencial foi detectado depois de analisarem o alcance no Instagram de produtos e palavras relacionadas a alimentos à base de plantas.

Mas, em contrapartida, apenas o espaço físico pode ter seu prazo de validade no quesito sucesso com o público. Por isso, Cruz diz que há um momento, após o primeiro boom, no qual você fica estagnado. Existir apenas virtualmente não gera toda a confiança de um restaurante físico. As pessoas gostam de ver onde a comida é feita.