Exportadoras brasileiras perdem R$ 48 bi em valor de mercado

Desde o primeiro dia que o surto de coronavírus na China atingiu os mercados financeiros globais, empresas brasileiras tiveram prejuízo

Foto: Reprodução

As empresas brasileiras exportadoras de commodities perderam R$ 47,709 bilhões em valor de mercado desde o primeiro dia que o surto de coronavírus na China atingiu os mercados financeiros globais. A queda reflete a aversão ao risco, em meio as incertezas sobre o impacto que a doença causará à economia no mundo.

O tempo para que a epidemia fique sob controle, com redução significativa da contaminação, também entra na conta. Mesmo com a destruição de valor bilionária, especialistas estimam que as ações ainda não sentiram todo o efeito negativo. Os números trouxeram também outra preocupação aos investidores, desconfiados de que Pequim não esteja divulgando o cenário real da doença.

Assim, as ações ON (com direito a voto) de GerdauVale, que exportam minério de ferro para a China, recuaram mais de 12% e 10%, respectivamente, desde o início do impacto. Investidores temem que, devido à falta de trabalhadores, o setor de construção no país asiático diminua o ritmo das obras.

Já as vendas de carros no varejo da China tiveram queda anual de 92% nos primeiros 16 dias de fevereiro em razão da epidemia. Segundo o analista da Mirae Asset Pedro Galdi, a produção de automóveis também caiu fortemente e a China “está parada”. Exatamente por isso, o preço do minério de ferro caiu 4,85% em 30 dias.

Petrobrás e Vale alertaram durante a semana, em eventos ligados aos balanços, que o surto poderá ter algum efeito. Ambas monitoram tanto embarques quanto encomendas. Roberto Castello Branco, presidente da Petrobrás, afirmou que o coronavírus não teve efeito nas quantidades, mas teve efeito nos preços, porque os mercados antecipam os efeitos na atividade econômica.

Segundo ele, é só observar o preço, o comportamento dos preços do petróleo que houve uma queda, e pode-se refletir nos resultados no primeiro trimestre. Há, porém, quem ache a queda exagerada, uma vez que a percepção sobre as companhias ainda não foi alterada. Para Galdi, as perdas devem ser temporárias.

No caso da Vale, ele diz que a empresa gasta US$ 30 para produzir minério de ferro e entregar na China, enquanto o preço da commodity segue no patamar dos US$ 90, é que o preço pode até cair para US$ 80 que a Vale ainda terá margem confortável. Ele explica que o que atinge mais a ação é a aversão ao risco generalizada, uma vez que os investidores estrangeiros saem primeiro das blue chips.