Banco Central monta núcleo para acelerar a criação de fintechs

Startups desenvolvem projetos com o apoio do BC juntamente com técnicos que produzem as normas regulatórias do mercado brasileiro

Inspirado nas experiências do Banco da Inglaterra e da autoridade Monetária de Cingapura, o Banco Central (BC) criou um núcleo de apoio onde acelera o desenvolvimento de projetos técnicos com as fintechs. Com apoio do BC, as startups financeiras desenvolvem projetos ao lado de técnicos que elaboram as normas regulatórias do mercado brasileiro.

O Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas (LIFT), criado há dois anos, vai lançar em março deste ano a terceira chamada de inscrição para novos projetos. Protótipos acelerados no LIFT já começaram a receber aportes de investidores interessados nas fintechs.

Carolina de Assis Barros, diretora de administração do BC, afirma que o LIFT não é propriamente uma incubadora, ou seja, não atua na fase de criação do projeto, mas que funciona como uma aceleradora do projeto. Ela explica que o BC percebeu que era necessário estar no princípio dessas tecnologias para lidar com o futuro do sistema financeiro.

Para o BC, o LIFT é uma oportunidade de diminuir a curva de aprendizado. Segundo Carolina, esse aprendizado precisa ser rápido para que o órgão regulador acompanhe e valide as regras necessárias para dar segurança aos clientes desses novos serviços.