Startup oferece serviço de aluguel em megalópoles

A Yuca garante aos interessados um valor de aluguel 40% abaixo do custo de redução

A startup Yuca busca solução para superlotação e mobilidade urbana nas megalópoles (foto: reprodução)

É certo que morar em cidades com um fluxo alto de pessoas residindo nela se tornou um certo caos há bastante tempo. Além do fator superlotação, entra a questão do fator financeiro, já que os aluguéis de casas nestes locais entram cada dia mais num patamar fora da realidade econômica da maioria dos trabalhadores.

Startup de aluguéis de imóveis

A startup Yuca, recém-chegada no mercado, observou essa deficiência no valor exorbitante cobrado em aluguéis nas megalópoles e desenvolveu um serviço de aluguel com valor mais acessível que o convencional.

A Yuca estudou cada agravante relacionado ao valor dos alugueis, por isso, várias pessoas optam por morar em locais distantes do trabalho, preferem o transporte coletivo que é mais barato, mesmo com sufoco constante para chegar ao seu destino e abrem mão de algumas horas a mais de sono para economizar dinheiro.

Público com faixa etária entre 20 a 35 anos

O público alvo da Yuca gira em torno de pessoa com faixa etária entre 20 a 35 anos. A equipe da startup administra apartamentos em áreas privilegiadas da cidade e os subdividem em alguns outros espaços a fim de alugar para os interessados.

O interessado recebe da startup um pacote incluindo condomínio, aluguel, contas de água, internet, IPTU e faxinas semanais para efetuarem a quitação todos os meses. Cada apartamento custa entre R$ 2.200 a R$2.800 o aluguel.

Para o CEO e cofundador da empresa, Eduardo Campos, morar em São Paulo está ficando cada vez mais insustentável. A Yuca tenta dar uma resposta para isso. Ela oferece solução adequada aos novos hábitos dos millennials, que estão demorando mais para casar, mudando com mais frequência de trabalho e deixando de valorizar a posse de um imóvel.

Startup Ziroom

Não somente o Brasil oferece esse tipo de serviço, mas na China, por exemplo, existe a Ziroom, que inclusive, já é avaliada em U$ 5 bilhões e é o modelo de inspiração da Yuca. A empresa chinesa é bastante renomada e já recebeu investimentos da Sequoia, Tencent e Warburg Pincus.

Este ano acontece novamente a rodada seed, onde a Yuca participará mais um vez, ano passado, a empresa captou R$ 20 milhões a um valuation de R$ 100 milhões. Mesmo com o modelo de moradia já sendo comum em outros países, o Brasil ainda dá seus passos lentos, a população ainda insiste em preferir as velhas repúblicas estudantis.

Apartamentos com 20 a 25 metros quadrados

O espaço é dividido entre 20 a 25 metros quadrados disponíveis aos moradores, contendo cozinha e sala compartilhadas e uma área de serviço. O interessante é observar as camas oferecidas, com a mesma qualidade daquelas encontradas em hotéis, além do banheiro e vaso de 12 litros.

Rafael Steinbruch, que integra o quadro de fundadores explica que como os apartamentos são comprados em prédios antigos – que em geral não tem academia, piscina, nem quadra – eles conseguem preços até 40% abaixo do custo de redução. O custo médio de compra de um ap da Yuca é de menos de R$ 66 mil o metro quadrado.

Itaú BBA e aquisições

Os planos futuros incluem abandonar a carreira solo e se juntar a parcerias com incorporadoras ou fazendo o retrofit de imóveis comerciais. O escolhido para as aquisições foi o Itaú BBA, onde pretendem levantar, pelo menos, R$ 100 milhões neste ano. Steinbruch informa que o custo de aquisição mais a reforma de cada apartamento fica um pouco acima de R$ 1 milhão.