Startup compra roupas usadas e devolve para as fabricantes revendê-las

Britânica Stuffstr desenvolveu um negócio que tem como objetivo finalizar o ciclo de uso das vestimentas

A startup britânica Stuffstr resolveu aprimorar o trabalho de recolhimento e repasse de roupas de segunda mão. Eles coletam e armazenam dados dos produtos por até cinco anos. Os clientes então podem pesquisar para descobrir quanto a empresa pagará para comprar o item de volta.

A Stuffstr coleta o item do consumidor e leva para o local de triagem, que analisa se a peça ainda tem condições de uso. As que têm são direcionadas de volta às empresas; já as que têm perda total vão para reciclagem. A startup, então, envia essas informações de volta às marcas, com base nas condições das roupas devolvidas.

As marcas podem usar essas informações para planejar o desenvolvimento futuro de produtos, visando melhor durabilidade, e ajustar os preços que oferecem aos consumidores pelos itens usados. Com isso, a startup argumenta que os consumidores ganham um dinheiro extra, o desperdício é reduzido e as marcas obtêm dados e informações valiosas sobre as peças e os clientes.

As primeiras parcerias da Stuffstr foram com as empresas John LewisAdidas. Ao entrar no site das marcas, o cliente se depara com a possibilidade de vender peças usadas para a startup. À Forbes, o co-fundador da Stuffstr, John Atcheson, disse que a ideia é fechar o ciclo de uso das peças e reduzir o descarte desnecessário.

Para ele, a startup está em uma posição única para poder oferecer aos consumidores um nível sem precedentes de transparência sobre o que acontece com o material — onde é revendido e por quanto — e até o que acontece se não puder ser revendido e for direcionado para a reciclagem.