Saiba quais cuidados tomar no Whatsapp para evitar golpes

Golpistas criam formas para ter acesso ao código de verificação do aplicativo para acessar a conta do usuário

A logo of WhatsApp is pictured on a T-shirt worn by a WhatsApp-Reliance Jio representative during a drive by the two companies to educate users, on the outskirts of Kolkata, India, October 9, 2018. Picture taken October 9, 2018. REUTERS/Rupak De Chowdhuri

Nesta semana, o fundador e CEO da Amazon Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, teve seu celular hackeado via Whatsapp. O acusado de roubar vários gigabytes de dados do celular do empresário foi o príncipe da Arábia Saudita Mohammad Bin Salman. Após informações pessoas do empresário terem sido publicadas pelo National Enquirer, investigações começaram a ser feitas. 

Golpes no Whatsapp estão se tornando comuns. Desde 2017, aumentou o número de relatos sobre golpistas que usam as mais diversas táticas para conseguir invadir contas dos usuários, se passar por ele e extorquir dinheiro de parentes, amigos e outros contatos. 

Em entrevista para o G1, o delegado José Barreto, do Núcleo de Combate aos Cibercrimes (Nuciber), afirmou que, nos últimos dois meses, pelo menos metade dos boletins de ocorrência registrados em Curitiba são relacionados a esse tipo de golpe. 

Barreto explicou que uma das principais formas de agir dos golpistas é tendo acesso ao número do telefone e aos dados pessoais que estão disponíveis na internet – principalmente em sites de anúncios de compra e venda. 

Os criminosos entram nesses sites e ligam para o dono da conta se passando pelos administradores. Então, dizem que para a confirmação do cadastro, é necessário a verificação de um código. Esse código, na verdade, é o que o estelionatário precisa para ativar a conta de WhatsApp em outro aparelho. 

A empresa de segurança Kaspersky relatou que o mesmo acontece quando os criminosos ligam para as vítimas oferecendo ingressos ou convites para festas. Em troca, eles solicitam apenas que se confirme um código que supostamente eles tinham enviado por SMS. Ao descobrirem o código, os criminosos passam a ter acesso à conta da vítima no aplicativo.

Como evitar o golpe 

A primeira medida – e a mais simples – para evitar que o WhatsApp seja clonado é habilitar no aplicativo a opção “Verificação em duas etapas”. Dessa forma, o usuário pode cadastrar uma senha, solicitada periodicamente pelo aplicativo. É importante também evitar divulgar dados pessoais nos sites de anúncio, que nunca entram em contato para confirmar o cadastro. 

Se alguém pedir dinheiro pelo WhatsApp, antes de fazer qualquer transferência, precisa-se certificar que a pessoa realmente precisa do dinheiro. E, se por acaso, a conta já tiver sido clonada, o boletim de ocorrência tem que ser registrado, junto à vítima.