Porto do Itaqui cresceu 12% em 2019

Além do aumento nos volumes, o ano foi marcado pela ampliação de destinos no mercado externo

Foto: Divulgação

O Porto do Itaqui, referência em gestão portuária no Brasil, obteve um crescimento de 12% em 2019, alcançando a marca de 25,2 milhões de toneladas de cargas movimentadas, a maior marca de sua história. Além disso, os destinos no mercado externo foram ampliados.

O milho foi a carga que mais cresceu, 164% acima do que em 2018, alcançando a marca de 3 milhões de toneladas movimentadas. E, as operações com granéis sólidos chegaram às 15,8 milhões de toneladas. O volume enviado para a África cresceu seis vezes, tirando o título da Europa como principal destino.

Outros 12% do volume total de milho escoado pelo Itaqui — mais de 350 mil toneladas — chegaram a novos destinos neste último ano, como a Irlanda, Japão e Israel. Entre os estados originários de carga, o Maranhão dobrou o volume de milho exportado e o Mato Grosso seguiu na liderança, com 2 milhões de toneladas.

Entre as principais cargas importadas, a movimentação de entreposto de combustíveis teve volume 80% maior, com 3,5 milhões de toneladas movimentadas. As operações com manganês marcaram um crescimento de 217% e as cargas de fertilizantes aumentaram 11%, excedendo os 2 milhões de toneladas.

O presidente do Itaqui, Ted Lago, contou que o êxito em 2019 foi resultado de uma série de mudanças, com a implantação de uma visão moderna de gestão com foco em indicadores e resultados, que foi bem recebida pelo setor privado, e também da própria dinâmica econômica da região centro norte do país.

A perspectiva para 2020 é que o Porto do Itaqui continue em crescimento e com bons resultados, com a entrada em operação da segunda fase do Tegram, da expansão de tancagem da Ultracargo e do novo terminal de fertilizantes, além do início das obras do terminal de celulose da Suzano, que prevê gerar 450 empregos diretos.