Mercado de computadores volta a crescer, ainda devagar

Desde 2011 o mercado de computadores não havia obtido resultado positivo em vendas

266,7 milhões de computadores foram encaminhadas aos locais de venda, em 2019 (foto: reprodução)

Com a praticidade e comodidade oferecida pelos aparelhos celulares, os computadores foram deixados um pouco para escanteio, a busca por eles foram caindo com o passar do tempo e com os smartphones mais tecnológicos. Mas, agora, parece que o cenário vem mudando, em 2019, foi percebido um tímido crescimento nas vendas de PCs. Segundo números do IDC e do Gartner, desde 2011 o mercado de computadores não havia obtido resultado positivo em vendas.

Essa retomada no crescimento foi percebido após dados do IDC indicarem um aumento de 2,7% no envio de computadores às lojas de todo o mundo. O Gartner aponta um crescimento de 0,6% e 261,2 milhões de máquinas disponibilizadas para os consumidores, já para a consultoria, esse nível não atingiu toda a proporção, ela aponta que 266,7 milhões de computadores foram encaminhadas aos locais de venda, uma quantidade inferior ao que foi informando pelo Gartner.

Atualização do Windows 7

O mercado corporativo contribuiu, em tese, para a atualização do sistema operacional Windows 7, ou seja, modificando o sistema operacional, muda-se a versão de hardware, portanto, as empresas sentiram a necessidade de se reinventar e migrar para o novo. Até setembro do ano passado, 900 milhões de máquinas ainda usavam a versão defasada da plataforma, entretanto, a partir de agora, a ideia é que todas elas sejam atualizadas, segundo estimativas da Microsoft.

Movimento sazonal

De acordo com alguns analistas, este é um movimento sazonal, não deve se manter. A sequência de atualizações pode ter até se estendido ao longo de 2019, em antecipação ao fim do suporte ao Windows 7, mas deve esfriar agora, pois aqueles dispostos a realizarem a mudança já fizeram isso. Dados da NetMarketShare mostram que ainda existe amplo espaço para mais vendas mesmo com 30% de computadores distribuídos em todo o mundo, mas é provável que nos primeiros seis meses do ano esse movimento perca força.

Como outras ondas tecnológicas chegam e se vão, o mesmo pode acontecer com o Windows 8, que deve ser substituído daqui a alguns anos, portanto, o sistema não deve passar por fase de atualização. O Gartner e o IDC concordam em afirmar que são tecnologias como tela dobráveis e, principalmente, conexões 5G, que levarão a um novo movimento amplo de atualização, mas ambas não devem se tornar tão populares tão cedo.

Possibilidade de nova queda

Ainda não se sabe ao certo se o resultado de 2019 pode ser visto com uma retomada, sendo apontado como, talvez, um ponto fora da curva, por isso, não é descartada a possibilidade de uma nova queda nas vendas em 2020.