Forbes elege as mulheres mais poderosas do mundo em 2019

Angela Merkel aparece no topo; jovem ativista sueca Greta Thunberg é a mais jovem da história da lista

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel (Foto: Getty Reprodução)

A revista Forbes elegeu as 100 mulheres mais poderosas do ano. A chanceler alemã, Angela Merkel, ficou com o 1º lugar pelo nono ano seguido, com exceção do ano de 2010 em que foi superada pela primeira-dama estadunidense Michelle Obama. Merkel é a única mulher a comandar uma nação do G20.

A Forbes ressalta que Merkel foi a primeira mulher a ocupar o cargo de chanceler em seu país, em 2005, e que permanece sendo, na prática, a líder da Europa. Em segundo está a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, e, em terceiro, a líder da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi.

Para elaborar a lista, a Forbes analisa métricas como: finanças (fortuna, ativos, receitas geradas pela empresa), mídia, esferas de influência e impacto gerado por seu trabalho. Juntas, as mulheres do ranking controlam ou influenciam mais de US$ 2,3 trilhões em receita e supervisionam quase 6,5 milhões de funcionários.

Depois de ser proclamada personalidade do ano pela revista Time, a ativista ambiental sueca, Greta Thunberg, estreante no ranking das 100 mulheres mais poderosas do mundo, ficou em 100º lugar, tornando-se a pessoa mais jovem da história da lista, com 16 anos.

Segundo a publicação, Greta teve mais citações na mídia do que todas as demais integrantes da lista, com exceção da Angela Merkel e da Nancy Pelosi. “O que Greta é: influente de uma forma que pessoas que possuem três ou quatro vezes sua idade não são”, diz a revista ao justificar o ingresso de Greta na lista.

Andrea Marques de Almeida, executiva de finanças e relacionamento com investidores na Petrobras, também estreou na lista e é a única brasileira no ranking de 2019. A executiva, que assumiu o cargo de diretoria na companhia de petróleo e gás em março deste ano, ocupa a 77ª posição. 

Outras mulheres que aparecem na lista são a apresentadora americana Oprah Winfrey (20º lugar), a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern (38º), a rainha Elizabeth (40º), Ivanka Trump, filha do presidente dos EUA (42º), e a cantora Rihanna (61º).

Abaixo, confira o ranking das 20 primeiras mulheres da lista das 100 mais poderosas do mundo em 2019.

1. Angela Merkel (Chanceler da Alemanha);
2. Christine Lagarde (Presidente do Banco Central Europeu);
3. Nancy Pelosi (Presidente da Câmara dos Deputados dos EUA);
4. Ursula von der Leyen (Presidente da Comissão Europeia);
5. Mary Barra (CEO da General Motors);
6. Melinda Gates (Fundação Bill & Melinda Gates);
7. Abigail Johnson (CEO da Fidelity Investments);
8. Ana Patricia Botín (CEO do Santander);
9. Ginni Rometty (CEO da IBM);
10. Marillyn Hewson (CEO da Lockheed Martin);
11. Gail Boudreaux (Presidente e CEO da Anthem);
12. Susan Wojcicki (CEO do YouTube);
13. Isabelle Kocher (CEO da ENGIE);
14. Safra Catz (CEO da Oracle);
15. Kristalina Georgieva (Diretora-geral do Fundo Monetário Internacional);
16. Julie Sweet (CEO da Accenture);
17. Emma Walmsley (CEO da GlaxoSmithKline);
18. Sheryl Sandberg (COO do Facebook);
19. Ruth Porat (Vice-presidente sênior e chefe de finanças da Alphabet);
20. Oprah Winfrey (Apresentadora, empreendedora, e filantropa).