Time elege Greta Thunberg como ‘Personalidade do Ano’

Ativista sueca é considerada um dos principais nomes da luta contra as mudanças climáticas

A revista norte-americana Time elegeu a ativista sueca Greta Thunberg como “Personalidade do Ano” de 2019 nesta quarta-feira (11). Aos 16 anos, ela é considerada um dos principais nomes da luta contra as mudanças climáticas e em defesa da natureza. A estudante é a mais jovem a ser indicada individualmente ao título, antes tinha sido o pioneiro americano da aviação Charles Lindbergh que, em 1927, tinha 25 anos.

A adolescente aparece na capa da publicação que, desde 1927, todo mês de dezembro presta uma homenagem à pessoa que marcou os 12 meses anteriores. Greta se tornou uma grande porta-voz das novas gerações em cerca de 16 meses. Em 2018, ela deixou de ir a aulas nas sextas-feiras em Estocolmo para protestar contra o aquecimento global.

O ato ganhou apoio nas redes sociais e se tornou uma campanha mundial conhecida como “Fridays For Future” (ou ‘Sexta-feiras pelo Futuro’ em tradução livre), e causou incômodo em líderes políticos ao cobrá-los na ONU pela falta de ações para combater o aquecimento global, como por exemplo pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que a chamou de “histérica”, e o líder brasileiro, Jair Bolsonaro, que chamou Greta de “pirralha”.

O presidente Jair Bolsonaro criticou o espaço dado pela imprensa para a ativista quando a chamou de “pirralha”. Isso porque, no sábado (7), Greta compartilhou um vídeo sobre as mortes dos indígenas maranhenses e escreveu que esses povos são assassinados ao tentar proteger a floresta do desmatamento ilegal. Horas depois da fala do presidente, Greta mudou a sua apresentação no Twitter para “pirralha”.

A revista Time destaca que ela se dirigiu a chefes de estado na ONU, reuniu-se com o papa, brigou com o presidente dos Estados Unidos e inspirou 4 milhões de pessoas a se unir à greve climática global em 20 de setembro de 2019, na maior demonstração climática da história da humanidade. A jovem está desde quinta-feira (5) em Madri, onde participa da Conferência do Clima da ONU.

Lá, a jovem sueca tem defendido incisivamente, junto de outras lideranças juvenis, que os países signatários do Acordo de Paris assumam suas responsabilidades diante das metas firmadas pelo tratado em 2015 a partir do próximo ano. Nesta manhã, na COP-25, Greta acusou chefes de Estado de não agirem na intensidade necessária para contornar a crise climática, já sentida por vários países do mundo.

Ela já discursou eventos internacionais como a Cúpula do Clima (Nova York), Conferência do Clima da ONU e o Fórum Econômico Mundial. Greta apareceu na lista de termos mais procurados no Google em 2019, ficando em sétimo lugar na categoria “nomes” mais buscados no mundo.