Plano de Enem digital faz MEC correr para aumentar estoque de questões

O plano é aumentar gradativamente o número de candidatos com prova online até 2026, quando a versão em papel será extinta

A versão digital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), prometida pelo Ministério da Educação (MEC) para começar a ser aplicada em 2020, ainda esbarra no aumento do banco disponível de questões e na falta de estudos que comprovem que esse formato tem o mesmo nível de dificuldade do atual, com a prova em papel.

O ministério afirma ter acelerado o processo para criar novas perguntas para o teste. Apresentado em julho, o Enem Digital será aplicado no ano que vem para 50 mil candidatos. Após críticas do presidente Jair Bolsonaro a edições do exame em outros anos, mudanças na estrutura da prova têm criado expectativas em professores e candidatos.

Ontem, Bolsonaro disse que é importante que o teste reconheça a “família” e o valor do “Estado brasileiro”. Na véspera do primeiro dia do Enem, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, destacou o novo projeto como uma ação inovadora do governo e uma modernidade que trará mais conforto. O plano é aumentar gradativamente o número de candidatos com prova online até 2026, quando a versão em papel será extinta.

Com a mudança gradual, o MEC terá de produzir uma prova a mais por ano. Hoje, já são elaboradas duas versões a cada edição – a regular e a de presos. É sigiloso o tamanho do Banco Nacional de Itens (BNI), que guarda todas as perguntas que podem cair no Enem. Há anos, especialistas, técnicos e ex-presidentes do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do MEC responsável pela prova, alertam para a necessidade de crescer o banco.

Mas elaborar itens é caro e demorado, por seguir rigoroso processo para garantir qualidade e sigilo. O custo estimado da produção de cada item é de R$ 2 mil a R$ 4 mil. Segundo Alexandre Lopes, presidente do Inep, o banco está em processo de aumento exponencial. Ainda segundo ele, não houve reforço na equipe de elaboradores de itens, mas intensificação do trabalho do grupo atual. Para especialistas, pedir para que elaboradores acelerem a produção pode causar prejuízo.

Ocimar Alavarse, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), diz que cada item passa por processo rigoroso antes de ser aprovado para o banco. Com pressão, a probabilidade de reprovar na revisão ou pré-teste é maior. Todo item é avaliado por três revisores e passa por pré-teste com alunos de ensino médio de redes públicas e privadas. Além de o item ter de cobrir a matriz curricular exigida, é preciso que tenha diferentes níveis de dificuldade.

Ainda segundo Alavarse, é um processo humano, que exige criatividade de quem elabora, não é como aumentar escala de produção em fábrica. Em nota, o Inep informou manter o mesmo protocolo para criar itens, com a mesma metodologia e com base na matriz de referência do Enem.

Disse ainda prever abrir ainda este ano chamada pública para que professores de ensino médio e superior participem da elaboração e revisão de itens – a última chamada pública foi em 2016 e os contratos, com instituições que cederam funcionários para a função, acabam em 2020.

Desafio

Uma das principais preocupações de técnicos do Inep é com a falta de estudo comprovando que a versão digital tem nível de dificuldade igual ao da prova impressa. Eles temem que órgãos de controle, como o Ministério Público, questionem a validade da prova sem a comprovação.

Especialistas dizem ser preciso testar se o aluno gastará mais ou menos tempo para fazer a prova e se é possível ter a mesma estratégia de elaboração. Para Ernesto Faria, do Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional (Iede), estudos com avaliações estrangeiras, como o Pisa, mostram que a plataforma influencia.

Segundo ele, muda a forma de responder, de pensar na elaboração. Não que seja positivo ou negativo, mas é preciso medir o impacto. Questionado sobre os estudos, o Inep disse ter feito diversas reuniões com equipe técnica de mais de 20 especialistas para analisar a proposta. Mas, ao responder a questionamento do Estado, via Lei de Acesso à Informação, disse estar finalizando estudos nesse sentido.