iFood vai testar delivery com robôs autônomos

O aplicativo de entrega de comida também lançou uma parceria com o assistente virtual do Google para pedidos por comando de voz

iFood, maior empresa de comida por aplicativo da América Latina, quer usar robôs autônomos em sua logística de entrega nos próximos meses. O anúncio foi feito durante evento na sede da foodtech nesta terça-feira (29) em Osasco (SP).

O projeto conta com a parceria da empresa Synkar, que deve desenvolver os primeiros robôs da operação prevista para iniciar em 2020. Roberto Gandolfo, diretor de Logística do iFood, afirmou que a ideia é testar a capacidade e a autonomia dos robôs para realizar entregas reais para clientes reais até o final de janeiro.

Os testes devem acontecer em ambientes controlados, como shopping centers ou condomínios na cidade de São Paulo. A empresa também estudar oferecer o serviço em Campinas (SP). Composto por rodas e um compartimento para armazenar o pedido, o robô autônomo poderá ser usado para receber entregas em praças de alimentação e levá-las até o motorista, otimizando o tempo de entrega. 

Pedidos por voz e inteligência artificial 

Durante o evento, a empresa também anunciou a parceria com o Google para pedidos de delivery por comando de voz. Com a novidade, os clientes poderão fazer pedidos pelo aplicativo usando o Google Assistente, o assistente de voz da gigante de tecnologia.

Neste mês, a empresa támbem lançou uma integração com os dispositivos da Amazon equipados com a assistente virtual Alexa. A integração com o Google Assistente deve estar disponível para mais 90% dos usuários com dispositivos Android nas próximas semanas, de acordo com o iFood. 

Segundo Bruno Henriques, vice-presidente de Inteligência Artificial (IA) do iFood, a foodtech também estuda o uso de machine learning. A plataforma vai usar algoritmos para entender os hábitos de consumo dos clientes no aplicativo e oferecer o serviço de maneira customizada. Henriques afirma que se o usuário for vegetariano ou tiver restrições alimentares, por exemplo, o aplicativo vai entender isso e mostrar opções de alimentos de acordo com a sua preferência.

Em dois anos, de acordo com o executivo, a empresa espera usar a IA para expandir a operação para alimentar 50 milhões de clientes, três vezes ao dia. Para isso, é preciso prever quando e o que os clientes querem comer. Segundo ele, isso deve otimizar os pedidos e as entregas.

Criado em 2011, o iFood chegou a marca de 21,5 milhões de pedidos feitos por mês pelo aplicativo. Só neste ano, foram mais de 159 milhões. Fabricio Bloisi, CEO do Grupo Movile, empresa que controla o aplicativo, afirma que nenhuma empresa de food delivery cresce tão rápido quanto o iFood. Atualmente, a platafroma possui 83 mil entregadores espalhados por 882 cidades no Brasil e na América Latina.