Nasa e geeks ocupam a atenção da ilha neste final de semana

TAGIL OLIVEIRA RAMOS

Ser chamado de geek ou nerd é um elogio. Hoje. No passado, o chamado “CDF” não tinha turma, sofria bullying (outra palavra que não existia) e só lhe restava ficar quietinho no seu canto e estudar.

Por coincidência, São Luís virou neste final de semana uma espécie de “capital mundial dos nerds”.

Dois importantes eventos marcam essa ocasião:
1- A realização do maior hackaton do mundo: o Space Apps Challenge da Nasa, organizado pela Faculdade ISL Wyden.

2- O Ilha Geek, maior evento de cultura Geek do Maranhão, que acontece até domingo (20) no Shopping da Ilha.

Nasa e Alcântara

A realização do hackaton da Nasa acontece num momento significativo para o Maranhão. O Acordo de Salvaguarda Tecnológica entre Estados Unidos e Brasil avança no congresso, permitindo a utilização do Centro de Lançamento de Alcântara para fins comerciais.

Antecipando a entrada do Maranhão na era espacial, iniciativas como a da Faculdade ISL Wyden estão em confluência com as tendências para a região. Além de patrocinar, pela primeira vez, o Space Apps Challenge da Nasa, a instituição também está lançando o primeiro MBA em Tecnologia Aeroespacial.

Quando estive recentemente na plataforma de lançamento de foguetes em Alcântara, pude sentir que é a hora do Maranhão aproveitar a chance para ocupar um espaço privilegiado no mercado aeroespacial. Torço para que essa oportunidade não seja perdida, por causa da miopia de politicagens retrógradas de representantes que ainda estão na idade da pedra lascada.


Desafio das equipes

É uma atitude visionária e pioneira colocar equipes maranhenses numa competição mundial como o hackaton da Nasa. As equipes que estão participando neste final de semana em São Luís são formadas por até cinco pessoas. Entre eles, estão desenvolvedores, empreendedores, designeres, profissionais de marketing, inovadores, biólogos, médicos, psicólogos, arquitetos, engenheiros, dentre outros profissionais interessados por tecnologia.

O desafio enviado pela Nasa está relacionado a problemas reais que afligem o planeta e que nem sempre merecem a devida consideração de governos e empresas. A proposta deste hackaton busca solução para o problema das manchas de lixo oceânicas, coleções de detritos marinhos carregadas pelas correntes oceânicas.

O desafio das equipes é achar soluções criativas e inusitadas para ajudar a limpar o lixo dos mares, cujos efeitos devastadores nos ecossistemas oceânicos estamos vivendo atualmente. A morte de tartarugas afogadas em manchas de petróleo é somente um alerta de que a questão é grave e real e que não pode mais ser deixada de lado.