Crescimento de assinantes da Netflix supera estimativas antes de lançamento de serviços rivais

Investidores estavam preocupados com desempenho da companhia conforme a Disney e a Apple se preparam para intensificar a guerra dos serviços de streaming

O número de novos assinantes da Netflix ficou um pouco acima das estimativas de Wall Street no terceiro trimestre, um alívio para os investidores que estavam preocupados que a empresa pudesse ficar aquém do esperado, conforme a Disney e a Apple se preparam para intensificar a guerra dos serviços de streaming.

Os resultados de julho a setembro representaram uma recuperação em relação ao trimestre anterior, quando a Netflix perdeu clientes de streaming nos EUA pela primeira vez em oito anos e não atingiu metas de assinantes estrangeiros. Esse desempenho, combinado com preocupações sobre novos concorrentes, pesou sobre as ações da Netflix, que tinham caído 21% em relação ao último balanço da empresa.

Para o terceiro trimestre, a Netflix foi impulsionada por novas temporadas de séries como “Stranger Things” e “13 Reasons Why”. A empresa adicionou 6,77 milhões de assinantes em todo o mundo, superando a expectativa média de analistas de quase 6,7 milhões, de acordo com dados do IBES da Refinitiv.

A Netflix disse que estava no caminho certo para atingir margem operacional de 13% no ano e estava visando outra expansão de 300 pontos base em 2020. O número total de assinantes atingiu 158 milhões. Ainda assim, a empresa enfrenta desafios.

Um diretor da Fitch, Patrice Cucinello, disse que os resultados da Netflix foram bons o suficiente para amenizar as preocupações com a sensibilidade de preços e os níveis de penetração nos mercados domésticos. Segundo ele, uma ressalva é que a concorrência ainda não a atingiu.

A empresa projetou que captaria 7,6 milhões de clientes nos últimos três meses de 2019. Os analistas esperavam 9,4 milhões. A empresa vai lançar uma nova temporada de “The Crown” e o filme de Martin Scorsese “The Irishman” durante esse período. Mas ela vai enfrentar nova concorrência a partir de novembro diante do Disney+, um serviço de streaming da Walt Disney Co, que será recheado com filmes e séries da Marvel, de “Star Wars”, animações e outros.

A Apple também vai estrear um serviço de streaming de vídeo muito menor e programação original em novembro. O HBO Max da AT&T e um novo serviço da Comcast deverão entrar no mercado no próximo ano. A Netflix argumentou que os novos serviços aumentariam o interesse no mercado de streaming de vídeo em geral.

A empresa escreve em uma carta aos investidores que o resultado provável do lançamento desses novos serviços será acelerar a mudança da TV tradicional para o consumo de entretenimento sob demanda.

A Netflix reconheceu, no entanto, que ainda estava sendo atingida pelos aumentos de preços no início deste ano nos Estados Unidos. A empresa afirmou que a retenção ainda não retornou totalmente aos níveis de antes da mudança de preços, o que levou a um crescimento mais lento do número de assinantes nos Estados Unidos.

O plano da Netflix mais popular nos Estados Unidos custa 13 dólares, quase o dobro do custo de 7 dólares por mês do Disney+. O Apple TV+ será lançado a 5 dólares por mês. No terceiro trimestre, o lucro líquido da Netflix aumentou para US$ 665 milhões, ou US$ 1,47 dólar, ante US$ 403 milhões, ou US$ 0,89 por ação, um ano antes. Isso superou a meta de Wall Street de 1,04 dólar.

A receita total subiu para US$ 5,25 bilhões, de cerca de US$ 4 bilhões. Analistas, em média, esperavam US$ 5,52 bilhões. A dívida que a Netflix acumulou gerou preocupação entre alguns investidores. A empresa disse em seu balanço que esperava que o fluxo de caixa livre melhorasse em 2020 e anualmente além disso. Enquanto isso, a Netflix continuará a explorar o mercado de alto rentabilidade conforme necessário, disse ele.