Telemedicina garante rapidez no atendimento a doentes cardíacos

O recurso emite laudo em até dez minutos

Um serviço de telemedicina que emite laudos de exames de eletrocardiograma à distância garante rapidez no atendimento e diagnóstico para pacientes com doenças cardíacas nas unidades de saúde pública em todo o país. Esta parceria entre o Hospital do Coração (HCor) e o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (Proadi-SUS) contribui para um menor índice de mortalidade.

Um aparelho semelhante a um smartphone transmite o exame eletrocardiograma do paciente para a Central de Telemedicina do HCor. O sinal do equipamento é enviado via telefonia celular ou internet. Na central, os dados dos exames são analisados por cardiologistas de plantão e um laudo deve ser emitido em até dez minutos para os socorristas do Samu e UPAs. O laudo apontará a normalidade ou não da atividade cardíaca.

O cardiologista Fábio Taniguchi, coordenador da Telemedicina do HCor, afirma que trata-se de uma tecnologia de ponta e atendimento especializado para salvar vidas. Segundo ele, a agilidade em tratamentos cardíacos é essencial, os primeiros minutos são fundamentais em casos de infarto e arritmias. Cerca de 50% das mortes por infarto acontecem nas primeiras 24 horas após o evento cardiovascular.

São 285 unidades de saúde que contam com o serviço de telemedicina – sendo 91 em Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e 194 em Unidades de Pronto Atendimento (UPA). Desde 2009, quando o programa começou, já foram realizados cerca de 1 milhão de laudos, uma média de 22 mil por mês.

O cardiologista destacou que a telemedicina atende a uma demanda de um país extenso como o Brasil. Para ele, é uma solução bastante interessante considerando a falta de especialistas nos locais, já que o Brasil é um país de dimensões continentais e, quando os médicos estão em áreas mais remotas, o profissional mais especializado não está nessas regiões.

Além da emissão rápida do laudo por especialistas, a Central de Telemedicina do HCor dá apoio na condução de casos clínicos complexos. Taniguchi explica que na complexidade, também é entrado em contato com essas unidades para auxiliar no tratamento, propondo uma discussão do caso para a melhor conduta de cada paciente quando se faz necessário.

Ele conta que o apoio que é dado, seja ele no diagnóstico seja na troca de informações e auxílio à conduta do caso, sempre é muito interessante e proveitoso. Taniguchi acrescenta que a telemedicina deve ser realizada dentro dos padrões já aprovados pelo Conselho Federal de Medicina.