7 empresários globais que se preocupam com o meio ambiente

Pesquisa da revista The Economist listou bilionários que investem em soluções sustentáveis

O uso de tecnologias limpas tiveram um salto nos últimos anos. Mais de US$ 2,6 trilhões foram investidos em energia de baixa emissão de carbono desde 2010, de acordo com a Bloomberg. Uma pesquisa da revista The Economist listou bilionários, com patrimônio de até US$ 200 bilhões, dispostos a investir na proteção do meio ambiente.

Entre eles está Elon Musk, CEO da Tesla e da SpaceX, Bill Gates, cofundador da Microsoft, e Michael Bloomberg, além de outros nomes ainda pouco conhecidos fora da indústria. Eles investem em projetos que vão desde carros elétricos e turbinas eólicas até hambúrgueres à base de plantas.

O “magnata do verde” mais proeminente do mundo é Elon Musk. A Tesla, considerada uma das montadoras mais valiosas do mundo, perdeu cerca de US$ 1 bilhão no ano passado. Mas hoje, seu veículo Modelo 3 quebra recordes de vendas em países como a Holanda, segundo a Bloomberg.

Outro investimento do bilionário é a criação de soluções tecnológicas para armazenamento de energia elétrica renovável. A SolarCity foi adquirida pela Tesla em 2016, com a intenção de criar uma integração entre os carros elétricos da montadora e as baterias e painéis solares.

A BYD Company, fundada por Wang Chuanfu, fabrica baterias recarregáveis. Situada na cidade chinesa de Shenzhen, atua no setor de eletrônicos, automóveis, novas energias e ferroviás. A empresa também oferece soluções de energia com emissão zero. Em 2008, outro magnata, Warren Buffett, investiu US$ 232 milhões na BYD. Hoje, a aposta já vale mais de US$ 1,5 bilhão. As vendas da BYD ultrapassaram US$ 18 bilhões no ano passado, tornando-a uma das maiores fabricantes de baterias e carros elétricos.

Já o chinês Zhang Yu administra a Broad Group, fabricante de refrigeradores que reciclam o ar desperdiçado e com baixo consumo de energia. Na lista da revista The Economist também está o empresário brasileiro Rubens Ometto, homem por trás da maior empresa de bioenergia do mundo. O Grupo Cosan produz açúcar e, por meio de uma joint ventures com a Royal Dutch, gigante holandesa de energia, produz etanol de cana-de-açúcar.

Outro grupo de magnatas investem em projetos climáticos que buscam escala. Bill Joy, cofundador da Sun Microsystems apoiou a Beyond Meat, fabricante de hambúrgueres à base de vegetais. Mas, entre todos o magnatas, é difícil vencer Bill Gates, fundador da Microsoft. O empresário destina parte de sua fortuna de US$ 105 bilhões em empresas como a Carbon Engineering, que busca reduzir a quantidade de CO2 no ar, usando-a para a produção de uma mistura de gasolina e diesel.

Gates também fundou a TerraPower, que desenvolveu um novo tipo de reator nuclear, e criou a Breakthrough Energy Ventures, um fundo de US$ 1 bilhão para financiar tecnologias que cortam radicalmente emissões poluentes na atmosfera. O fundo foi lançado em conjunto com outros bilionários preocupados com a questão energética, como Jeff Bezos, fundador da Amazon.

Michael Bloomberg investiu US $ 500 milhões no Beyond Carbon, uma iniciativa para acabar com usinas de carvão nos Estados Unidos, que financia lobistas e políticos preocupados com a questão ambiental. Embora não seja um magnata, o papa Francisco tem autoridade máxima sobre os ativos de US$ 3 bilhões do Banco do Vaticano. Em junho deste ano, ele reuniu gigantes do petróleo, como a Shell e ExxonMobil, para reconhecerem a necessidade de conter o aquecimento global e minimizar suas consequências.