Band lança reality show com startups brasileiras

O reality dará a startup vencedora o prêmio de R$ 500 milhões

Equipe de jurados do Planeta Startup (foto: reprodução)

As startups, por sua relevância e reconhecimento no mercado de trabalho, estão sendo cada vez mais reconhecidas pelos patrocinadores. Elas não ficam mais apenas dentro de metros quadrados esperando serem descobertas, agora, elas passaram a invadir as telinhas de TV. Na Índia, por exemplo, o governo local pretende criar um canal especialmente para este público alvo.

A novidade rodou o mundo e chegou ao Brasil. Nesta semana, a emissora de TV Band estreou o primeiro reality de Startups da TV brasileira: o Planeta Startup. O programa irá ao ar todas as quintas-feiras, às 22:45. O objetivo é abrir espaço a empreendedores que atuam neste ecossistema de startups e que pretendem mostrar projetos voltados à tecnologia e inovação, setor que vem ganhando espaço em nosso país.

Apresentado pela jornalista e economista Ana Luísa Medici, a missão do programa é simples: os participantes precisam convencer os investidores – e jurados- que seus projetos causarão significativo impacto e mudanças positivas para as áreas da tecnologia e de inovação.

Júri que irá compor o programa

Amure Pinho: é empreendedor nato e mentor de diversos programas de aceleração e palestrante em eventos globais. Ele é presidente da Associação Brasileira de Startups (ABStartups). É referência por seu desejo de mudar o país por meio da inovação.

Tallis Gomes: Mesmo jovem, já é um personagem importante no meio das startups. Seu primeiro negócio foi aos 14 anos, com um talento de berço, aos 30 anos, vendeu sua empresa por R$ 1 bilhão. Empreendedor que conheceu a simplicidade da vida e, hoje, é um profissional de peso.

Dani Arruda: Determinada e com foco em empreender, Dani é reconhecida por ser uma profissional de investimentos com grande experiência em negociação internacional e intermediação financeira. Ela compõe o quadro de sócias da Babel Ventures, fundo de Venture Capital liderado por mulheres no Vale do Silício. Dotada de inestimável inteligência emocional, a jurada é uma forte investidora.

O prêmio para a startup vencedora será de R$ 500 mil reais, além da oportunidade de passar por mentorias e cursos com temas voltados aos negócios. O co-criador e diretor geral do Planeta Startup, André Lefcadito, declarou que o movimento das startups é um fenômeno que tem gerado fortunas, além de provocar mudanças econômicas e sociais importantes em todo o mundo. No Brasil, esse movimento pode representar o atalho para o nosso país alcançar mais rapidamento a evolução que precisa.

Nos episódios de abertura, as equipes inscritas estarão em determinado espaço de elevador, a partir daí, terão 1 minuto para apresentarem seus projetos e conquistarem os jurados. Aquelas que impressionarem, verão a porta se abrir, ou seja, estão classificadas para a próxima etapa do programa.

Na fase de “elevador”, serão 30 equipes participantes. No decorrer do reality, serão desafios mais acirrados e em menor tempo, em cada etapa um jurado dará aos participantes missões que eles precisam cumprir. Antecedendo a final, o jurado Fernando Seabra acompanhará de perto os projetos que estão sendo desenvolvidos, em seguida, após seu feedback, dará acesso aos finalistas do programa.

O desafio final será proposto pelos jurados e os participantes terão que se desdobrar e desenvolver um projeto que solucione um problema real/oficial de alguma comunidade, feito isso, o público conhecerá a grande vencedora após resultado final do júri.