Marcas renomadas suspendem compra de couro do Brasil

Decisão é tomada em meio à série de queimadas na Amazônia

A empresa norte-americana VF Corporation, controladora das marcas como Timberland, The North Face, Kipling e Vans, afirmou nesta última quinta-feira (29) que decidiu não comprar mais couro brasileiro de forma direta.

Em comunicado ao jornal O Estado de S.Paulo, a holding ressaltou que só retomará a compra do couro do país quando houver segurança de que os materiais usados nos produtos não contribuam para o dano ambiental. A decisão foi tomada em meio a série de incêndios na Amazônia que tem provocado questionamentos sobre a política ambiental aplicada na floresta brasileira.

Na quarta-feira (28), a suspensão veio à tona depois da divulgação do conteúdo de uma carta do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB) enviada ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. No texto, foi mencionada a suspensão de compras de couros a partir do Brasil de alguns dos principais importadores mundiais.

Segundo o CICB, boa parte da matéria-prima garantida pelos curtumes é da região da Amazônia. Ainda de acordo com a nota enviada ao jornal, a empresa tem buscado melhorar o abastecimento global de couro. A detentora de 18 marcas investe em estudos para garantir que seus fornecedores estão de acordo com seus requisitos. No entanto, no momento, não assegura que o couro brasileiro siga esse compromisso.

Em uma publicação no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro negou a suspensão e afirmou que as exportações continuam “normais”. “Àqueles que torcem contra o país e que vergonhosamente divulgaram felizes a notícia, informo que o Centro de Indústria de Curtumes do Brasil negou tal suspensão. As exportações seguem normais”, escreveu.