Projeto cria arranha-céu que combate poluição plástica nos oceanos

Plataforma seria capaz de filtrar a água poluída do mar e gerar energia a partir dos resíduos

Se nada for feito, até 2050 teremos mais plástico do que peixes nos oceanos. A estimativa, originalmente divulgada durante o Fórum Econômico Mundial de 2016, continua valendo, segundo o relatório Panorama Ambiental Global, elaborado neste ano pela ONU.

Para tentar reverter esse cenário, o arquiteto americano Honglin Li fez uma proposta arrojada: criar plataformas verticais capazes de reter o plástico e até mesmo gerar energia a partir do resíduo. A mega estrutura, que lembra uma plataforma de petróleo, foi projetada para ajudar a eliminar a ilha de lixo do Pacífico, maior massa de resíduos presentes no mar, com cerca de 30 metros de espessura e 1,6 milhão de km² de extensão.

Honglin Li, disse em entrevista ao site Dezeen, que o projeto poderia ser implantado em outros pontos do planeta, para resolver problemas ambientais e energéticos. Batizada de Filtration Skyscraper, a plataforma, que tem 800 metros de altura e 500 metros de lado, seria capaz de bombear a água poluída do mar para o topo da estrutura; depois, na descida, ela seria filtrada, com a remoção de plástico e outros resíduos, e voltaria ao mar.

A estrutura incluiria uma doca onde embarcações poderiam atracar e levar embora o lixo. A plataforma modular ainda é capaz de abrigar estações de reciclagem e usinas de energia, que gerariam eletricidade e biocombustíveis a partir dos plásticos e outros poluentes extraídos da água.

Sem previsão para construção, o projeto ganhou visibilidade ao receber uma menção honrosa no eVolo skyscraper, uma competição anual que reconhece projetos que desafiam a arquitetura vertical e interagem com o ambiente ao seu redor.