De acordo com o jornal Valor Econômico, a marca de hipermercados Walmart irá desaparecer e vai passar a se chamar Grupo Big. A mudança vai durar durante o primeiro semestre de 2020 e faz parte do processo de reestruturação da rede. 

Os hipermercados Walmart nas regiões Sul e Sudeste passam a se chamar Big, enquanto no Nordeste, as lojas do Hiper Bompreço se transformarão em Big Bompreço. A conversão vai envolver 127 hipermercados, sendo que cerca de 100 pontos migram para as duas novas marcas do Big até junho de 2020. O restante deve migrar para duas outras lojas do grupo, a Maxxi Atacado e Sam´s Club.

Em relação aos supermercados, os pontos no Nordeste vão se chamar Super Bompreço, e nos Estados abaixo do Nordeste, as lojas devem virar Nacional – rede que já opera no Rio Grande do Sul. Desta forma, a marca Mercadorama, do Paraná, deixará de existir. Ao final, o grupo, que tem hoje 412 lojas, terá 109 supermercados das duas marcas. 

Decisão 

A decisão de interromper o uso da marca Walmart tem razões econômicas. Ainda segundo o Valor, a empresa paga royalties aos americanos — 0,7% sobre o faturamento mensal — pelo uso da marca. O fim do pagamento tem efeito positivo e direto na margem de lucro. 

A estratégia do Wallmart é se reorganizar para ampliar receita e reduzir custos e, então, recuperar rentabilidade. Há um plano chamado Projeto Fênix, coordenado pelo diretor comercial,  Daniel Mora, cujo objetivo é amplificar a margem por meio de redução de custos, e não por aumento de preço. 

A ideia é atingir o ponto de equilíbrio no começo de 2021 e chegar ao fim do ano com um pequeno Ebtida – sigla em inglês que significa lucro antes de juros impostos, amortização e depreciação. Em 2018, a receita bruta do grupo atingiu R$ 24,5 bilhões, queda de 13% em relação a 2017. Para 2019, a empresa não projeta crescimento na receita, por conta da fase de transição.