Bancos reagem para enfrentar avanço de fintechs

Fintech são startups que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro

Embora ainda pequeno, o impacto da concorrência das fintechs já é visível nos números dos grandes bancos. Essas novas concorrentes visam otimizar os serviços do sistema financeiro com custos muito menores comparados às instituições tradicionais do setor, o que obriga os bancos a terem que se moldar para se adaptar à realidade atual. 

De acordo com o jornal Valor, o sinal mais recente veio do Itaú Unibanco, que fechou 195 agências físicas apenas no segundo trimestre, um ritmo bem mais acelerado do que vinha adotando até então. De março para junho, a instituição reduziu de 99,7 mil para 98,4 mil seu quadro de funcionários, incluindo em outros países da América Latina.  

O Banco do Brasil também anunciou um plano de reorganização que resultará no encerramento de 242 agências.  O banco está em um processo que busca a conversão de agências em postos de atendimento e a abertura de unidades voltadas para pequenas e microempresas.  As mudanças levarão a um enxugamento de pouco mais de 2 mil funcionários no quadro do BB, composto por 96,6 mil pessoas.

Já o Bradesco mexeu pouco na sua rede de agências. Foram apenas 36 fechamentos desde o início do ano, ficando com pouco menos de 4,6 mil. Porém, o balanço do segundo trimestre deixou evidente o impacto da concorrência em credenciamento de cartões e investimentos, duas das áreas de negócios em que a atuação das fintechs tem sido mais intensa. 

Estratégias dos bancos 

O Itaú aposta ainda na digitalização de dentro para fora, substituindo os sistemas legados. O banco também criou a plataforma de pagamentos instantâneos “iti”, entrando na competição pelas carteiras digitais. O Bradesco trabalha em duas frentes: abriu o banco digital Next para atrair um público mais jovem e, em paralelo, tenta modernizar a estrutura já existente.

Até o fim do ano, o Santander planeja lançar uma plataforma digital de crédito com garantia em bens como veículos e imóveis, uma empresa digital para renegociação de dívidas de pessoas físicas, e uma operação digital de seguros de veículos, parceria com a HDI.

Ainda segundo o Valor, mesmo com a pressão maior da concorrência, os resultados e a rentabilidade dos grandes bancos ainda são crescentes. Juntos, Itaú, Bradesco e Santander lucraram R$ 17,1 bilhões no segundo trimestre, alta anual de 17,85%.