Uber coloca na rua profissionais de marketing para cortar custos

Os funcionários desligados da empresa pertenciam às áreas de marketing e vendas

Os funcionários souberam das demissões por meio de e-mail (foto: reprodução)

Na última segunda-feira (29), a Uber anunciou a demissão de 400 funcionários que atuavam na área de marketing de seus escritórios ao redor do mundo. A empresa tinha, em média, 22 mil funcionários, sendo eles, cerca de dois mil atuantes nas áreas de vendas e marketing.

O fator principal para os desligamentos seria uma queda em sua posição na Bolsa de Valores de Nova York, após sua oferta pública inicial. Com o declínio, houve a necessidade de redução de custos, resultando na demissão de alguns integrantes da equipe.

O Uber tem enfrentado algumas dificuldades na busca por tornar-se uma empresa de capital aberta. De acordo com os responsáveis, apesar de ser uma empresa bastante reconhecida, obter lucro e elevar o seu nível não é tarefa fácil.

O objetivo principal é recuperar-se financeiramente e elevar a empresa a nível de capital aberta, como desejam os dirigentes da Uber. A demissão, de certa forma, prejudica os funcionários que saíram, entretanto, a empresa acredita que recuperar ações e se estabilizar dará mais resultados. Num futuro, quem sabe próximo, haverá condições de novas contratações.

Equiparado ao preço de IPO que era de US$ 45, a Uber teve apenas US$ 42 em ações negociadas, de acordo com informações obtidas o The New York Times.

As demissões foram aplicadas por meio de e-mail, segundo a agência de notícias Bloomberg. No texto, o presidente executivo, que aplicou as demissões, dizia que o crescimento mais lento “acontece naturalmente” à medida que as empresas crescem, mas afirmou que o Uber resolverá isso de forma rápida.

No corpo do e-mail enviado pelo CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, constavam informações que muitas das equipes são muito grandes, o que cria trabalhos sobrepostos, torna os donos de decisões menos claras e pode levar a resultados medíocres.

Na terça-feira (30), já era identificada queda de 2% nas ações da Uber.