Primeiro semestre de 2019 apresenta crescimento de 60% no número de malware que rouba senhas

Foram 940 mil atingidos por malwares somente nos seis primeiros meses de 2019

Os brasileiros estão entre as vítimas mais frequentes dos cibercriminosos (foto: reprodução)

A empresa de segurança Kaspersky Lab divulgou, nesta terça-feira (23), um aumento de 60% no número de senhas “roubadas” em 2019, ou seja, cresceu o número de malware. Equiparado ao ano de 2018, apenas nos primeiros seis meses, foram 940 mil atingidos por esse tipo de software malicioso, enquanto no ano passado, ainda no primeiro semestre, foram 600 mil ataques contra senhas. Os brasileiros estão entre as vítimas mais frequentes do malware.

Entre informações mais roubadas, estão senhas salvas, informações de preenchimento automático e números de cartão, segundo a Kaspersky, devido a vulnerabilidade dos navegadores, existe muito mais facilidade para que os malwares aproveitem e invadam sistemas e serviços privados.

Ranking de usuários infectados

Dos locais mais atingidos, os principais alvos de ataques pelos cibercriminosos são: Rússia e Índia. Os brasileiros ocupam o terceiro no ranking de usuários afetados, logo em seguida, estão aos alemães e estadunidenses. O Azorult chega infectar cerca de 25% de vítimas e é considerado um dos trojans mais amplamente difundidos pelo mundo.

De que maneira se proteger de golpes

O primeiro passo para proteger-se de malware é desativar a gravação automática de senhas nos navegadores, já que eles não possuem métodos de proteção suficientes para impedir a atividade dos malwares, como orienta a Kaspersky.

Outra recomendação para os usuários é a instalação de programas e aplicativos que gerenciem e armazenem senhas, garantindo segurança e prevenindo ataques de cibercriminosos.