Aplicativo que envelhece rostos pode ameaçar privacidade dos usuários

O aplicativo tem vários endereços cadastrados, entre eles, sites falsos, aumentando a chance de ser um site voltado para golpes

O FaceApp virou febre entre anônimos e famosos no mundo todo (foto: reprodução)

Todos os dias diversos aplicativos são inclusos nas plataformas digitais, conquistando públicos de diferentes faixas etária.  O “FaceApp“, aplicativo que causa efeito de envelhecimento no rosto, deu o que falar deixando milhares de pessoas enlouquecidas Brasil a fora. Os mesmos usuários que baixaram o app acabaram não se atentando ao risco que futuramente podem ser expostos.

Até o momento, não existe nenhuma comprovação que o FaceApp represente risco para os usuários que baixaram, mas com o alcance que teve de forma tão imediata e em pouco tempo, acaba camuflando os riscos severos que cada aplicativo pode trazer.

Como surgiu o FaceApp

Ao ser pesquisado no Google Play, o aplicativo contém informações de propriedade da “FaceApp, Inc”, empresa norte-americana, sediada no estado de Delaware. Mas, na verdade, o FaceApp, foi desenvolvido por uma empresa russa chamada Wireless Lab.

Funcionários fantasmas

A pergunta que não calar é: existe, de fato, algum funcionário que trabalhe na empresa norte-americana que tenha criado o aplicativo? O local que diz ser território da empresa pertence a um “escritório virtual”. Funciona como um endereço que as empresas compram, e, a partir daí, tem direito a receberem correspondências e tem à sua disposição um atendente telefônico em local geográfico privilegiado.

Desencontro de informações

Mesmo com informações de sua sede na Russa, o site do aplicativo “faceapp.com” tem uma segunda localização, encontra-se registrado para um endereço no Panamá, que é destinado a ocultar informações verídicas nesse registro obrigatório. O aplicativo apresenta várias informações duvidosas, como, por exemplo: o endereço registrado no Panamá é declaradamente “falso”, levantando mais suspeitas a respeito do FaceApp.

O endereço com mais chances de ser o verdadeiro fica localizado na cidade de São Petersburgo, na Rússia, aparecendo nos “termos de uso do serviço. É o mesmo endereço que consta disponível na App Store, da Apple, com mesmo nome, “Wireless Lab”.

Possibilidade de plágio

A possibilidade de plágio também é fator determinante para que as suspeitas em cima do FaceApp só aumentem. O “acordo de privacidade” do aplicativo não detalha informações criadas pelo próprio desenvolvedor, mas apresenta trechos que foram copiados de contratos que já existem na internet.

Existe a chance de a empresa ter usado de estratégia para cortar custos, no entanto, não anula a atitude bastante questionável de não atribuir veracidade em suas informações.

Um famoso golpe de mestre e tacada essencial para golpistas é o desenvolvimento de aplicativos que atraiam o público com diversão e humor. Dessa maneira, conseguem entreter os usuários e obterem informações pessoais através das contas criadas.

Devidas precauções

O Google e a Apple usam o método de filtrar seus aplicativos, garantindo segurança aos usuários. A empresa criadora do FaceApp realizou vinculação com o Facebook após a moda dos filtros passar.

Ainda não se sabe ao certo o que será feito com os dados obtidos do Facebook, por isso, é recomendável é desvincular o perfil após o uso, processo que pode ser realizado na área de aplicativos e sites do Facebook e redobrar a atenção para próximos aplicativos.