O poder está com elas e se multiplica exponencialmente na sociedade

(Da esq. para dir.: Luciane Leda, Bianca Tereza, Lou Marques, Carla Góes, Themys Vale e Tagil Oliveira Ramos): na coletiva realizada na Faculdade ISL Wyden, antes do lançamento da segunda edição do Projeto Wonder Woman no espaço Black Swan (Foto: Fernando Santos)

TAGIL OLIVEIRA RAMOS

Ninguém que convive com as mulheres da foto acima ousará dizer que elas representam o “sexo frágil”. Todas elas, em suas respectivas áreas, são empoderadas.

O empoderamento feminino (mais conhecido em inglês como Women’s empowerment) não é exatamente algo novo. Hoje é um mantra midiático, bordão insistente que ganha manchetes, seminários e eventos ao redor do mundo.

Historicamente, o conceito nasce a partir da celebração do Dia Internacional da Mulher. O movimento aconteceu difusamente a partir de 1909. Foi comemorado em diferentes dias nos Estados Unidos e Europa. A primeira celebração se deu em 28 de fevereiro de 1909 nos Estados Unidos.

Nos anos seguintes, manifestações, marchas e protestos acontecem em países europeus nos anos seguintes. Os eventos e encontros tratavam de temas como igualdade de direitos econômicos, sociais e trabalhistas e movimento sufragista para aquelas consideradas até então como “o sexo frágil”.

Contexto maranhense 

Este articulista com Carla Góes: “uma mulher empoderada não precisa perder sua feminilidade” (Foto: Rayana Vasconcelos)

Nesse contexto reinvidicador, foi realizada ontem (11) a estreia da segunda edição do Projeto Wonder Wowan, no espaço Black Swan. Lançado pela empresária Lou Marques no ano de 2018, sua finalidade é dar recursos técnicos, gerenciais, comportamentais e de conhecimento para empoderar dezenas de mulheres da capital maranhense e arredores, tornando seus sonhos de negócio em realidade.

“Na edição passada, pudemos fornecer essas ferramentas de empoderamento para 35 mulheres”, informa Lou Marques. “Na segunda edição, estamos abrindo 70 vagas para mulheres que tenham perfil empreendedor”.

A grande novidade do encontro de mulheres empoderadas é a disseminação das técnicas usadas por algumas delas para que outras mulheres tenham também sucesso financeiro e profissional semelhante ao das líderes.

“Precisamos capacitar as mulheres de todas as classes a serem empreendedoras”, pontuou a médica e escritora Carla Góes, que veio especialmente ao evento trazida pela Faculdade ISL Wyden. ”

Lou Marques, fundadora do Projeto Wonder Woman, e Carla Góes, médica e escritora: dois exemplos de empoderamento feminino transformador (Foto: Fernando Santos)

No Projeto Wonder Woman, as profissionais serão capacitadas pela Faculdade ISL Wyden, oferecendo ferramentas tecnológicas e de gestão para que elas sejam vencedoras no competitivo ambiente moderno de negócios. As selecionadas, em número máximo de 70, vão aprender sobre gestão, marketing, finanças, liderança e demais conhecimentos que podem fazer a diferença na batalha empreendedora que terão pela frente.

No mundo

Desde 2010, existe um documento chamado “Os Princípios de Empoderamento das Mulheres”, lançado pela ONU, para mostrar às empresas e comunidades como dar poder para as mulheres. São sete princípios. Veja no link abaixo
http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/cartilha_WEPs_2016.pdf