Inteligência artificial potencializa câmeras de segurança

Solução será apresentada na feira internacional Exposec, em São Paulo

Foto: Reprodução

Em meio ao crescente uso das novas tecnologias no setor de segurança, duas empresas brasileiras lançarão na próxima semana um sistema de câmeras que usa inteligência artificial para reconhecimento facial e corporal em tempo real.

A solução, chamada “Video Analytics”, é fruto de uma parceria entre a startup de inteligência artificial InovaMind e a companhia de segurança digital TecVoz e será apresentada durante a feira internacional Exposec, organizada pela Cipa Fiera Milano e que acontece de 21 a 23 de maio, em São Paulo.

As duas empresas desenvolveram uma tecnologia inédita no mercado brasileiro e que utiliza os vídeos captados pelas câmeras de segurança para analisar rostos e corpos, identificar pessoas perigosas e movimentos suspeitos e gerar inteligência sobre todo o material.

Até então, para usar uma solução desse tipo era preciso importá-la, o que acabava acarretando em custos elevados. Segundo o CEO e fundador da InovaMind, Jung Park, era uma tecnologia muito cara e que dependia de servidores e modelos de inteligência artificial muito custosos. Mas agora, foi possível montar um algoritmo que consegue identificar não só a face, mas também o corpo.

Segundo ele, o sistema é capaz de mapear mais de 2 mil pontos do rosto humano e pode ser usado em inúmeras aplicações, como para entrar em um condomínio, fazer controle de ponto e administrar o acesso a uma residência.

O Video Analytics consegue identificar pessoas, reconhecer corpos para detectar presença, diferenciar homens de mulheres e distinguir funcionários de clientes. De acordo com a InovaMind, a assertividade no reconhecimento facial é superior a 99%.

Na parceria, a InovaMind entra com a tecnologia, desenvolvida ao longo de um ano, e a TecVoz, com as câmeras. Segundo o CEO da startup, neste ano o objetivo é atingir pelo menos 100 mil câmeras com essa tecnologia embarcada. Os principais focos da empresa serão o mercado de segurança e o mapeamento de fluxo de pessoas, como em shoppings e estações de metrô, por exemplo