Nestlé começa a vender Starbucks no Brasil e turbina aposta em café

A aposta nos cafés passa pela ampliação da rede de boutiques Nespresso no país – a marca abriu 3 novas lojas em janeiro totalizando 28 unidades

Produtos da Starbucks vendidos pela Nestlé (Foto: Divulgação)

Os próximos anos da Nestlé no Brasil terão foco especial no café. O produto é a grande aposta da companhia, que firmou recentemente uma parceria para vender itens da Starbucks fora das cafeterias da rede. A oferta dos produtos começa hoje no Brasil, em algumas lojas do Pão de Açúcar.

Patrice Bula, vice-presidente executivo da companhia, afirma que o café se tornou uma prioridade porque o mundo se abriu para novas experiências, dessa forma, é uma categoria que está explodindo com novas ideias. Nascido na Suíça, Bula costuma vir ao Brasil a cada dois anos para checar de perto como estão as operações da Nestlé por aqui.

Ele é responsável pelas áreas marketing, vendas e negócios estratégicos no setor de alimentação, no qual a Nestlé atua há mais de 150 anos. Também chefia a Nespresso, marca de café em cápsulas que mudou o modo como o consumidor se relaciona com a bebida. A aposta nos cafés passa pela ampliação da rede de boutiques Nespresso no país – a marca abriu 3 novas lojas em janeiro totalizando 28 unidades.

Outra frente é o crescimento da Nescafé Dolce Gusto, marca de café e outras bebidas em cápsulas, como cappuccino, chás e chocolates. Em 2015, a Nestlé montou uma fábrica de cápsulas Dolce Gusto em Montes Claros (MG), a primeira fábrica do tipo fora da Europa. No ano passado, foram produzidas 422 milhões de cápsulas Dolce Gusto no país. A expectativa é crescer cerca de 15% em 2019.

A parceria com a Starbucks complementa esses esforços. A Nestlé passa a vender cápsulas compatíveis com Nespresso e Dolce Gusto além de pó de café torrado e moído, tudo com a marca Starbucks. O Brasil é um dos primeiros países no mundo a receber os produtos, junto com Bélgica, Chile, China, México, Holanda, Coréia do Sul, Espanha e o Reino Unido.

Para além do cafezinho, a Nestlé tem buscado se alinhar às novas tendências de consumo. O desafio para uma companhia centenária é não ficar para trás. Um dos esforços nesse sentido está em deixar clara a origem de seus produtos, tendo em vista que hoje os consumidores buscam mais produtos locais e menos marcas internacionais.

Segundo Bula, a Nestlé é uma companhia global, mas a realidade é que 95% do que é produzido no Brasil é feito localmente. Europa é assim, nos Estados Unidos também. A companhia se esforça ainda para reduzir a quantidade de açúcar em seus produtos. No Brasil, o principal exemplo é o Nescau, que ficou 30% menos doce.