Maranhão é o estado mais beneficiado com o acesso a internet por satélite oferecido pelo MCTIC

TAGIL OLIVEIRA RAMOS

Durantes os 100 primeiros dias na frente do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, o astronauta e ex-iteano Marcos Pontes mostrou como se consertam as coisas de maneira concreta.

Por causa de uma questão jurídica com uma empresa de Manaus, o país deixou de usar um satélite por determinado tempo, o que causou um prejuízo para o país de R$ 600 milhões. O custo avaliado foi de R$ 800 mil por dia (incluídas as despesas do próprio dispositivo e sua manutenção e controle).

Insatisfeito com o modo como dinheiro público estava sendo jogado fora, Marcos Pontes consultou o STF e o TCU e conseguiu “desembaraçar” o processo. Apenas com essa ação, foi possível instalar 2.777 novos pontos de acesso a internet por satélite, em todo o território nacional.

Por causa do grande déficit digital, a prioridade de instalação foi dada para o Nordeste e Norte, com foco em escolas. Isso possibilitou que mais de 700 mil crianças em todo o país passagem a ter acesso à internet em três meses.

Ao revelar esses dados em primeira mão, durante o anúncio que fez para políticos, empresários e representantes setoriais num jantar no restaurante Cabana do Sol, na avenida Litorânea, em São Luís, o ministro Marcos Pontes foi calorosamente aplaudido pela plateia presente.

O Maranhão é o estado que mais tem pontos instalados. Ao atingir com o sinal do satélite o total de 521 pontos remotos, foi possível dar acesso digital a 135.512 alunos no interior do estado.

O benefício tem alto impacto educacional. Basta apenas avaliar o que pode significar para um escola no meio de uma região isolada passar a fazer downloads na velocidade 10 MB por segundo (e up load da ordem de 1 MB por segundo).”Essa é uma velocidade considerável em qualquer lugar”, comentou Marcos Pontes.

O benefício de ter acesso digital incluiu 470 escolas do Maranhão. “Isto não vai parar por aqui”, prometeu o ministro. “As coisas vão aumentar, Isso vai aumentar, pois tem muita coisa a ser feita na área de comunicação e que a ciência e tecnologia podem oferecer”, ressaltou o ministro.

Ouça o anúncio na voz do ministro no vídeo abaixo: