Inteligência artificial na cozinha

Startup chilena que recebeu investimento de Bezos chega ao Brasil e venderá maionese sem ovo a partir de abril. Até o fim do ano, startup também deve lançar no país leite e sorvete sem ingredientes de origem animal

Maionese à base de grão de bico. Sorvete feito com ervilha. Hambúrguer de cacau e beterraba. São com essas combinações esdrúxulas que a startup chilena NotCo pretende revolucionar a indústria alimentícia. Como principal aliada nessa batalha, o trio de sócios da empresa conta com a inteligência artificial.

A partir de um sistema batizado de Giuseppe, a NotCo desenvolve receitas para recriar produtos feitos com ingredientes de origem animal, usando apenas plantas. A ideia é que tanto no gosto, como no aroma e na textura, o alimento seja igual ao original. Em breve, os brasileiros poderão provar o primeiro item lançado pela empresa: a NotMayo, uma maionese vegetal, feita sem ovos. Ela estará disponível em meados de abril nas gôndolas da rede Pão de Açúcar, por cerca de R$ 10.

No próximo mês, a startup deve lançar no Chile seu leite vegetal, o NotMilk. Para agosto, está prevista a chegada do sorvete NotIceCream, à base de ervilha. Até o final ano, ambos devem estrear também no Brasil. No início, a empresa irá importar seus produtos do Chile para o país, mas a ideia é passar a fabricá-los na região de Campinas. Em dois anos, segundo as previsões da NotCo, o Brasil deve se tornar seu maior mercado.

Em pouco menos de dois anos, a empresa levantou US$ 3 milhões da Kaszek Ventures e da IndieBio, uma aceleradora de biotecnologia americana. Mesmo longe do Vale do Silício, o sistema de IA Giuseppe chamou a atenção de Jeff Bezos, que participou de uma rodada de investimentos de US$ 30 milhões na empresa no início de 2019 — vale destacar que este é o primeiro investimento do homem mais rico do mundo na América Latina.

Do lado da tecnologia, Giuseppe é o carro-chefe da startup. O sistema é o responsável por gerar as fórmulas de alimentos vegetais que mais se aproximam ao sabor e textura de produtos tradicionais. Segundo o CEO Matias Muchnick, o diferencial da NotCo não está em tornar os hábitos alimentares apenas mais sustentáveis, mas é investir em um processo que mude a experiência do consumidor com o alimento.

A empresa conta com uma base de dados de 30 mil plantas. Os dados moleculares, por exemplo, são capazes de descrever os compostos e a aparência dos vegetais, já aqueles coletados pelos degustadores da empresa revelam desde a textura até o sabor que fica na boca após a ingestão de um produto. É a ciência a favor do seu paladar. Resta saber se você vai aprovar.

Sobre a empresa

A NotCo começou em 2015 com o lançamento da NotMayo pelos seus três fundadores: o CEO Matias Muchnick, Pablo Zamora, doutor em bioquímica, e Karim Baksai, doutor em ciência da computação, todos com formação nos EUA. Em apenas oito meses, a marca de maionese conquistou 8% do mercado chileno. Hoje, tem 10% e está presente em 1 mil pontos de venda.