Samsung lança no Brasil o S10, sua esperança de reação

No ano passado, o número de smartphones vendidos no mundo caiu pela primeira vez na história; coreana perdeu terreno para fabricantes chinesas

Foto: Divulgação

A fabricante de eletrônicos Samsung estreia hoje no Brasil uma de suas principais promessas para 2019: o Galaxy S10, novo modelo da linha Galaxy que já havia sido lançado nos Estados Unidos em fevereiro. O S10 chega ao mercado mundial para concorrer com aparelhos topo de linha, como os iPhones da Apple.

No Brasil, a pré-venda começa nesta quarta-feira, com preço que vai de 4.299 a 8.999 reais, a depender da versão. O novo Galaxy traz algumas novidades nas quais a Samsung espera apostar para manter a liderança no mercado global de smartphones e fazer as vendas, que caíram 9% no ano passado, voltarem a subir.

Uma delas é a versão com 5G, tecnologia que oferece internet móvel até 100 vezes mais rápida. O Brasil não recebeu o modelo 5G, uma vez que a tecnologia, que engatinha no mundo, ainda não existe por aqui. Mas, lá fora, a Samsung fez história ao tornar-se a primeira a lançar um aparelho do tipo.

Além do S10, a sul-coreana também trará neste ano o aguardado design “dobrável”, que virá em abril com o novo Galaxy Fold (dobrar, em inglês). O modelo promete ser a grande novidade do mercado nos próximos anos — a Huawei já possui um aparelho dobrável, e outras, como a Motorola, trabalham para entrar na onda.

Sem grandes novidades no Galaxy S9 e Note 9, lançamentos de 2018, a Samsung foi vítima de um mercado de smartphones que desacelera: no ano passado, o número de aparelhos vendidos pelo setor como um todo caiu pela primeira vez na história. A Apple, segunda no mercado, também teve queda de 5% nas vendas.

A surpresa é que, na contramão das marcas tradicionais, as chinesas Huawei e Xiaomi viram as vendas crescerem em 2018. Analistas apostam que a Huawei, a terceira no mercado e teve alta de 35% nas vendas, pode ultrapassar a Apple até o fim deste ano.

A Huawei, contudo, enfrenta seus próprios problemas. Em meio à guerra comercial entre EUA e China, a empresa foi proibida de vender em território norte-americano acusada de espionar usuários. Sua CFO, Meng Wanzhou, também está presa no Canadá, acusada de roubar tecnologia da empresa de telecomunicações AT&T.

O fato é que, mesmo sem vender nos EUA, o Mate 20, topo de linha da Huawei, chegou a 10 milhões de unidades vendidas desde outubro. As vendas de smartphones podem estar caindo, mas ainda são 1,4 bilhão de celulares vendidos mundo afora. Para convencer os consumidores a colocar a mão no bolso, a Samsung e as concorrentes vão ter de se mexer.